A filha perdida de Elena Ferrante pode ser você

Imagem retangular de fundo laranja. Ao centro, foi adicionada a capa do livro A Filha Perdida, um selo escrito Clube do Livro Persona no canto direito inferior e o logo do Persona no canto esquerdo superior. A capa é repleta de casas de telhado marrom avermelhado, no estilo mediterrâneo. É possível ver o céu e o mar azuis e uma torre verde. Está escrito, em letras brancas, "A FILHA PERDIDA" e "ELENA FERRANTE". Na parte inferior central, há o selo da Intrínseca.
Recentemente adaptado para o cinema, A filha perdida foi a escolha para o mês de dezembro de 2021 no Clube do Livro do Persona (Foto: Intrínseca/Arte: Jho Brunhara)

Raquel Dutra

As coisas mais difíceis de falar são as que nós mesmos não conseguimos entender“, define muito bem Elena Ferrante no que vem a ser o prólogo de seu terceiro romance. Lançado no Brasil em 2016 pela editora Intrínseca, A filha perdida traz o pseudônimo italiano, aclamado por suas  personagens femininas e reverenciado por sua honestidade cortante, numa proposta de encarar com honestidade o que talvez seja um dos principais aspectos da experiência da mulher na sociedade – e também um dos assuntos mais intocáveis desde o início dos tempos -: a maternidade. 

Continue lendo “A filha perdida de Elena Ferrante pode ser você”

5 anos de Remonta: só Liniker e os Caramelows sabem o quanto dói

Em 2015, Liniker e os Caramelows lançaram o EP Cru com as faixas Zero, Louise de Brésil e Caeu (Foto: Let’s GIG)

Ana Júlia Trevisan

“Eu não quero mais saber de desamor”: Liniker abre Remonta, seu primeiro disco, lançado em 2016, sendo categórica e exteriorizando seu pedido de ‘basta!’. A cantora araraquarense de, na época, apenas 21 anos, não estava sozinha nessa viagem imersiva e sentimentalista. É ao lado da banda Caramelows, que contava com a voz de Renata Éssis, o contrabaixo elétrico de Rafael Barone, a guitarra de William Zaharanszki, a bateria de Péricles Zuanon, o trompete Márcio Bortoloti, as teclas de Fernando Travassos, as percussões acústicas de Marja Lenski e (ufa!) o saxofone de Éder Araújo; que Liniker dá luz às suas composições. O amor visceral é usado como a substância vital na construção do trabalho que transformou a artista numa das maiores representantes da dita Nova MPB.

Continue lendo “5 anos de Remonta: só Liniker e os Caramelows sabem o quanto dói”

Os desconfortáveis 5 anos de Fleabag

Fleabag é um termo pejorativo no inglês britânico que significa “na lama” (Foto: Amazon Prime Video)

Ana Júlia Trevisan

Séries de comédia são sempre um banquete da Televisão. Ora de aspectos feel good nos fazendo pertencer a uma família ou torcer fervorosamente para um time do futebol inglês, ora encarando o humor ácido da vida política, o gênero sempre nos permite pensar com mais leveza sobre as aleatoriedades da vida. Com espaço de sobra para inovar, a britânica Phoebe Waller-Bridge desafia o gênero com Fleabag. A dramédia, que estreou sua primeira temporada em 2016, não tem tabus para falar de solidão, saúde mental, relacionamentos, e claro, sexo. A produção ainda recebe um diferencial tornando a série tão única: todos esses aspectos são representados sob o feroz olhar e consciência feminina.

Continue lendo “Os desconfortáveis 5 anos de Fleabag”

Há 5 anos, Rogue One: Uma História Star Wars chegava para preencher lacunas deixadas na história rebelde

Cena do filme Rogue One: Uma História Star Wars. Nesta imagem temos ao centro Jyn Erso e Cassian Andor, ambos utilizam uma jaqueta de couro marrom, mas Jyn está de calça preta, enquanto Cassian usa uma calça marrom. No lado direito, estão três pilotos da rebelião vestidos de laranja e com capacete branco, todos estão correndo para frente. Já ao lado esquerdo, mais três homens, todos vestindo roupas escuras e toucas conversam em roda. A cena é ambientada em um local com pouca iluminação e ao fundo, atrás dos personagens, é possível ver partes de um caça espacial nas cores branca e vermelha.
“Salve a Rebelião, salve o sonho”, os precursores da missão Cassian Andor e Jyn Erso correm para realizar mais uma tarefa rebelde (Foto: Disney)

Gustavo Alexandreli

Se você gosta ou já ouviu falar da saga Star Wars, sabe que compreender a cronologia é um grande desafio, até mesmo para os fãs mais apaixonados. Com Rogue One: Uma História Star Wars, lançado em dezembro de 2016, não é diferente. Para entender a jornada de Jyn Erso (Felicity Jones), é necessário voltar mais de uma década e encaixar a história rebelde deste spin-off, o primeiro de Star Wars, entre os eventos dos episódios III (A Vingança dos Sith, de 2005) e IV (Uma Nova Esperança, de 1977).

Continue lendo “Há 5 anos, Rogue One: Uma História Star Wars chegava para preencher lacunas deixadas na história rebelde”

Starboy: há 5 anos, The Weeknd se consagrava como uma potência do pop

Capa do álbum Starboy de The Weeknd. O cantor de pele negra e cabelo curto está em uma pose agachada, ele veste uma jaqueta de couro e um colar de cruz enquanto é iluminado por uma luz neon de tom azul em frente a um fundo vermelho. Na parte superior da imagem, o nome do álbum, Starboy, é escrito em fonte amarela.
A revelação da capa de Starboy causou um alvoroço pela mudança brusca na identidade visual de The Weeknd (Foto: Nabil Elderkin)

Nathalia Tetzner

Quando The Weeknd apareceu com o cabelo curto substituindo os seus icônicos dreadlocks, os fãs sabiam que a construção de uma nova identidade visual viria acompanhada de músicas inéditas. Afinal, ao contrário da grande parte dos artistas masculinos, Abel Tesfaye sempre soube compor grandes eras à la divas pop. Assim, no outono americano, com o lançamento do videoclipe do primeiro single e faixa-título do seu terceiro álbum de estúdio, Starboy (2016), o cantor literalmente assassinou a persona do Beauty Behind The Madness (2015) e deu início ao projeto mais mainstream de sua carreira.

Continue lendo “Starboy: há 5 anos, The Weeknd se consagrava como uma potência do pop”

Nós comeremos bolo em frente ao mar para comemorar os 5 anos de DNCE

Capa do álbum DNCE. Os integrantes estão em uma sala amadeirada, com uma lareira antiga em cinza e tapete claro. Joe está mais próximo da câmera, sentado numa poltrona marrom com um acolchoado verde claro. Ele é branco, de cabelos curtos pretos com barba e bigode curtos. Ele veste uma camisa de manga longa e uma calça preta e está descalço, sentado com a perna esquerda cruzada. Ele segura uma xícara com pires brancos e está olhando para a câmera. Ao seu lado, está uma mesa pequena, redonda e alta com um prato com frutas. Em sua frente, está uma mesa de centro branca pequena, com alguns pratos com comida. Apoiada na lareira, está JinJoo Lee, mulher sul-coreana de cabelos pretos e rosas pretos em um coque. Ela veste um body preto sensual e botas pretas até metade da coxa. Seus pés estão apoiados numa pequena escada de madeira. Junto à lareira, estão três porta retratos pequenos e um quadrado grande de uma pintura antiga, com DNCE escrita em tinta verde fluorescente. Na ponta esquerda da lareira, há ainda um castiçal com 5 velas acesas. Atrás de JinJoo, está uma mulher mais velha, com roupas de faxineira pretas e brancas, limpando uma estante alta de livros. A mulher é branca, com a mão esquerda segura um espanador limpando uma prateleira e a mão direita está apoiada na cintura. Ela olha com indignação para JinJoo. Ao lado de JinJoo, mais abaixo, está Cole Whittle, sentado numa poltrona marrom com um acolchoado verde claro. Ele é branco e grita eufórico com um livro laranja aberto na mão direita. Ele veste uma camisa aberta preta estampada, meias azuis escuras até a canela com três listras vermelhas e uma bota preta. Ele está com a perna direita cruzada sob a outra. Apoiado na cadeira de Cole, está Jack Lawless. Ele é branco, de cabelos castanhos claros compridos até o ombro. Ele veste uma camisa preta com detalhes em branco e uma calça preta. Ele segura uma xícara branca com a mão direita e sua perna direita está levemente dobrada. Ao seu lado, está uma mesa pequena e baixa, com um telefone antigo e um vaso com flor vermelha.
“Coloque seus pés acima das mãos e D-N-C-E” (Foto: Republic Records)

Júlia Paes de Arruda

Depois de um impetuoso começo na carreira solo, Joe Jonas decidiu tentar outra forma de permanecer nos holofotes da Música. Com o término dos Jonas Brothers ainda recente, ele se uniu com seu amigo de longa data Jack Lawless para formar o DNCE, junto com a guitarrista JinJoo Lee e o tecladista Cole Whittle. Ainda que seu primeiro lançamento tenha sido uma incógnita, somente em 2016 que o quarteto sentiu seu deleite com a chegada de um álbum autointitulado. 

Continue lendo “Nós comeremos bolo em frente ao mar para comemorar os 5 anos de DNCE”

Deus Salve a Rainha: os 5 glamourosos anos de The Crown

Cena da série The Crown. É uma imagem com as bordas escura e bem iluminada ao centro para destacar, em plano médio, a personagem principal: Elizabeth II, uma mulher branca, magra, de cabelos castanhos presos para trás em um penteado baixo com uma grande coroa acima, prateada e composta de cristais. Ela tem grandes olhos azuis e está em pé andando para a esquerda, olhando para a direita e sorrindo sem mostrar os dentes. Ela veste um vestido de tecido brilhante branco e prata, com um pequeno detalhe aparente de tecido azul turquesa na saia e um pedaço de um detalhe em prata na cintura do vestido. Ela cruza os braços na direção da cintura para enrolar um estola de pelos braços pela parte superior do corpo, que cobre toda a frente da roupa e deixa apenas um pequeno pedaço dos ombros e do colo à mostra. Ela usa luvas brancas que cobrem até acima dos cotovelos, já no braço esquerdo, carrega uma pequena bolsa branca, em seu pescoço há um grande colocar brilhante com pérolas e nas orelhas, há brincos compridos e brilhantes. Atrás dela e levemente ao fundo, do lado direito da imagem e levemente desfocado está Philip, um homem branco, magro e alto, de cabelos loiro médio, ele se encontra na mesma posição de corpo que ela, ele veste um smoking preto, com um lenço branco no bolso, e por baixo uma camisa branca com uma gravata borboleta da mesma tonalidade, ele aparenta estar com os braços atrás do corpo. Ao fundo atrás da personagem há dois grandes pilares cor de areia, e em frente a eles, à esquerda da imagem, há um pequeno grupo de pessoas, da esquerda para a direita: uma mulher branca, magra, de cabelos castanhos com um lenço cor de areia escuro cobrindo-os, deixando apenas o topo aparente, ela usa batom vermelho e veste um sobretudo marrom de estampa xadrez, ela sorri sem mostrar os dentes e aplaude. Um pouco atrás dela há um homem alto, branco de cabelos loiro escuro, usa um terno preto com uma camisa branca e uma gravata bege clara, só é possível ver a a parte superior do corpo acima da cintura; em frente a ele há um homem um pouco mais baixo, branco, de cabelos pretos e sobrancelhas grossas, ele veste um sobretudo cinza azulado e na cabeça usa uma boina da mesma cor, embaixo do sobretudo, veste uma camada um pouco mais escura acima de uma blusa branca, as duas mãos estão juntas em frente ao corpo. Atrás de Elizabeth é possível ver apenas o rosto de um homem branco de cabelos castanhos que olha em sua direção, assim como todos os figurantes. Ao fundo à esquerda há mais algumas pessoas não distinguíveis e a direita um prédio pouco iluminado com paredes cinzas, janelas grandes e de pelo menos dois andares.
“O país precisa ser liderado por alguém forte” (Foto: Netflix)

Júlia Caroline Fonte

Há 5 anos, os portões do Buckingham Palace foram abertos ao público, revelando os segredos obscuros e os dramas da família real britânica, como também nos aproximando de uma das figuras mais conhecidas da história. The Crown, série criada por Peter Morgan, que, de início, não tinha tanta aclamação e atenção do público, logo tornou-se um sucesso e, prestes a lançar sua quinta temporada, a série da Netflix conta com o maior orçamento da plataforma, a altura de suas personagens e de sua luxuosa produção. 

Continue lendo “Deus Salve a Rainha: os 5 glamourosos anos de The Crown”

Os 5 anos de The Good Place nos deixam uma pergunta: o que devemos uns aos outros?

Cena da série The Good Place. A imagem mostra os seis personagens principais dentro de um balão, eles sorriem e olham para a câmera.
Seis narrativas diferentes que trazem uma história única (Foto: NBC)

Gina Zapparoli

Nunca é esperado que alguém tome notas de ações boas e ruins que fazemos durante o tempo em que as pessoas passam na Terra, correto? Talvez colar em uma prova importante a qual você queira muito passar ou comprar uma “mistura de margarita para mulheres solitárias” para passar o fim de semana não parecem ser opções tão ruins vez ou outra.

No entanto, The Good Place mostra que há sempre uma pessoa anotando seus erros e acertos e que, bem, isso poderá te dar uma futura dor de cabeça. A narrativa da série se baseia em como as decisões dos personagens principais Eleanor Shellstrop (Kristen Bell), Tahani Al-Jamil (Jameela Jamil), Jason Mendoza (Manny Jacinto) e Chidi Anagonye (William Jackson Harper), por mais bobas que sejam, tragam grandes consequências para os mesmos.

Continue lendo “Os 5 anos de The Good Place nos deixam uma pergunta: o que devemos uns aos outros?”

Em Grave, Julia Ducournau está faminta por você

Cena do filme Grave. Justine (Garance Marillier) está no colo de Adrien (Rabah Nait Oufella), com a cabeça apoiada em seu ombro esquerdo, mordendo fortemente seu próprio braço direito. Justine é caucasiana, de cabelos pretos e longos. Ela está nua, e a câmera captura seu olhar animalesco conforme sangue se acumula em seu braço e escorre para a cama. Adrien é caucasiano, tem o cabelo escuro raspado e sua expressão não é visível, sua cabeça apoiada na cama. Ele gentilmente alisa o cabelo de Justine com a mão esquerda. Atrás deles, o resto do quarto está desfocado, mas podemos identificar alguns livros empilhados e roupas espalhadas.
Sim, você (Foto: Focus Features)

Gabriel Oliveira F. Arruda

Antes de adentrarmos mais uma vez na cabeça da diretora e roteirista Julia Ducournau para falar sobre Titane, vale a pena olhar cinco anos para trás e comentar seu poderoso filme de estreia, Grave. A mistura elegante de drama coming-of-age com terror corporal dá um sabor inteiramente próprio à obra, subvertendo clichês dos dois gêneros e clamando para si seu lugar na cultura cinematográfica como um dos filmes mais perturbadores dos últimos tempos.

Continue lendo “Em Grave, Julia Ducournau está faminta por você”

5 anos de Better Things: mulheres são realmente seres extraordinários

Cena da série Better Things. Imagem estática. As cinco personagens estão andando na rua ao ar livre, durante o dia. No lado esquerdo da foto está Phil, interpretada por Celia Imrie. Ela é uma mulher branca de cabelos castanhos lisos, preso em um coque. Utiliza uma blusa rosa escuro estampada e calça preta. Carrega um casaco marrom e uma sacola bege nas mãos. Ao lado de Phil, está Duke, personagem de Olivia Edward. Ela é uma menina branca de cabelo castanho claro, longo e liso. Veste um suéter listrado em vermelho, bege e preto e calça verde musgo. Ao lado dela está Frankie, interpretada por Hannah Alligood. Ela é uma mulher branca de cabelos castanho claro curto e cacheado. Utiliza uma camisa branca e gravata preta e calça preta. A frente dela está Max, personagem de Mikey Madison. Ela é uma mulher branca de cabelo castanho escuro, longo e meio ondulado. Utiliza um macacão verde folha com detalhes em bege. A frente de Max está Sam, interpretada por Pamela Adlon. Ela é uma mulher branca de cabelo castanho médio, longo e liso. Veste uma blusa preta com um blazer preto. Também utiliza óculos de sol preto e um colar na cor prata.
“Um elogio de uma mulher vale por mil elogios de um homem – Woman in Yellow ” (Foto: FX)

Andreza Santos

Sem romantização e com muita honestidade, Better Things conta a história de Sam Fox (Pamela Adlon, de This Is Us) uma atriz e mãe solteira de 3 filhas, que se desdobra dia após dia para cuidar delas enquanto trabalha em set de gravações de Hollywood. A série, criada por Louis C.K., mais tarde, foi totalmente passada para as mãos de Pamela, após a demissão de C.K. por comportamento inapropriado.

Continue lendo “5 anos de Better Things: mulheres são realmente seres extraordinários”