Os 5 anos de Guardiões da Galáxia Vol. 2 consagram o grupo de heróis no universo Marvel

A imagem é ampla e mostra os personagens em uma nave espacial em tons terrosos, ela é bem cheia de detalhes como ferros, canos, cabos, telas com projeções e poltronas. Da esquerda para a direita temos: Yondu, um homem azul médio, magro e alto careca e com um moicano de material sólido ao meio da cabeça, ele veste camadas de roupas de couro em tons bordô, marrom e roxo, ele está em pé com a mão esquerda apoiada em uma poltrona e a direita segura uma flecha dourada apoiada no ombro direito, ele sorri levemente. Em seguida temos Rocket sentado em uma poltrona, ele é um guaxinim marrom, que usa um macacão azul e sorri para a câmera. Em pé, do outro lado da poltrona, há Nebulosa, uma mulher magra, alta e robótica azul e roxa, com o braço esquerdo cinza ao lado do corpo e o direito apoiado na poltrona, usando um traje de couro com diversos recortes em tons de vermelho, ela encara a câmera séria. Do outro lado da nave, há outro grupo, que começa por Gamora, uma mulher alta, magra e de pele verde médio, ela tem cabelos levemente ondulados castanhos com as pontas rosas, ela veste uma blusa branca com um corpet de couro preto por cima, cobertos por um sobretudo marrom de couro, além de uma calça de couro preta e uma bota preta que vai até abaixo do joelho; Gamora olha séria e aponta para a câmera com a mão direita, enquanto a mão esquerda está apoiada na poltrona de Peter, um homem branco, magro, alto, de cabelo loiro escuro, ele veste uma calça marrom escuro e botas marrom médio, e por cima, uma jaqueta de couro vermelha, ele está olhando para frente de forma atenta e as duas mãos seguram os controles da nave. Logo atrás dele, está Mantis, uma alienígena magra, alta e com traços asiáticos, ela tem cabelo preto liso e duas antenas que começam no topo da testa, ela usa um traje de couro verde musgo médio, ela olha apreensiva para frente. Ao lado dela e de Peter há Drax, um homem alienígena de corpo cinza com desenhos vermelhos, ele é careca, tem olhos claros é alto e forte, ele nao usa camisa, apenas uma calça azul escuro com um cinto de metal; ele está em pé e, com a boca aberta, olha surpreso para frente. Por fim, Groot está no ombro esquerdo de Drax, ele é um pequeno homem-árvore e está em pé gritando.
“Às vezes passamos a vida procurando por alguém que sempre esteve ao nosso lado” (Foto: Marvel Studios)

“Eu sou Groot” – Groot

Júlia Caroline Fonte

A última década foi bem polêmica para a indústria cinematográfica, o boom dos filmes de heróis gerou vários conflitos entre os cinéfilos mais conservadores e os amantes da cultura pop. Os super-heróis foram os responsáveis por lotar as salas de cinema no mundo todo, principalmente devido às grandes mudanças nos Estúdios Marvel. Foi nessa década que heroínas e personagens não convencionais conquistaram seu lugar, como aconteceu com o grupo de deslocados conhecidos como Guardiões da Galáxia, que completa 5 anos de seu segundo filme.

Continue lendo “Os 5 anos de Guardiões da Galáxia Vol. 2 consagram o grupo de heróis no universo Marvel”

5 anos atrás, Greta Van Fleet reviveu o bom e velho rock’n’roll no EP Black Smoke Rising

Capa do EP Black Smoke Rising da banda Greta Van Fleet. A imagem tem fundo predominantemente ocre. No centro tem uma fumaça marrom avermelhada com os rostos dos integrantes da banda estampados. Todos são homens brancos de cabelos bagunçados castanhos. Ao canto esquerdo, está escrito Greta Van Fleet Black Smoke Rising com letras ocres
A fumaça preta sobe e já sabemos que é o início de uma nova era – o rock não morreu (Foto: Republic Records)

Leticia Stradiotto

No ano de 2012, dentro de uma garagem em Frankenmuth, cidadezinha alemã de Michigan, o som mais esperado pelos apreciadores do bom e velho rock’n’roll nasceu com a banda Greta Van Fleet. Em seu primeiro trabalho, o EP Black Smoke Rising, o grupo rebateu – com impulso – a polêmica e extremamente cansativa frase “Não se faz mais o rock como antigamente”, o êxito da banda disparou talento e reviveu a intimada e almejada melodia dos anos 70.

Continue lendo “5 anos atrás, Greta Van Fleet reviveu o bom e velho rock’n’roll no EP Black Smoke Rising”

As mulheres de Amy Sherman-Palladino

Criadora de Gilmore Girls e The Marvelous Mrs. Maisel, Amy Sherman-Palladino deu um novo olhar para as mulheres na Comédia

Arte com fundo preto. Nela, estão 3 mulheres, com uma margem rosa em volta de suas silhuetas, simulando um recorte. À esquerda, está Lauren Graham, que interpreta Lorelai em Gilmore Girls. Ela é uma mulher branca, de cabelos castanhos lisos e compridos, ela veste uma camiseta branca e jaqueta preta. Ao centro, está a roteirista Amy Sherman-Palladino. Ela é uma mulher branca, de cabelos castanhos presos em coque baixo; ela usa um chapéu preto em sua cabeça, uma blusa com um terno preto e segura duas estatuetas do Emmy, uma em cada mão. À direita, está Rachel Brosnahan, que interpreta Midge Maisel. Ela é uma mulher branca, de cabelos castanhos claros curtos. Ela veste um chapéu no tom amarelo, óculos escuros e um vestido com listras claras.
Aos 56 anos, a roteirista já fez história como a primeira pessoa a levar o Emmy na categoria de Roteiro e Direção em Série de Comédia (Arte: Ana Clara Abbate)

Vitória Silva

Cidade de Stars Hollow, fundada em 1779. Uma jovem mulher senta-se em uma mesa na cafeteria do Luke, após implorar para o mesmo por mais uma xícara de café, que ele responde com um olhar zangado – enquanto pega mais café para ela. Um cara flerta com ela e é rapidamente driblado por seu sarcasmo, e com a jogada de que ela está esperando alguém. Esse alguém entra pela porta, é a sua filha, Rory, chateada porque perdeu seu CD da Macy Gray e “precisa de cafeína”. E é essa mesma rotina que você vai observar pelos próximos 153 episódios de Gilmore Girls

Um dos grandes sucessos da Televisão norte-americana nos anos 2000, o seriado surgiu da curiosa mente de Amy Sherman-Palladino. Nascida no dia 17 de janeiro de 1966, em Los Angeles, filha do comediante Don Sherman e de Maybin Hewes, seus primeiros passos no meio artístico vieram – acredite ou não – por meio da dança. Treinada no balé clássico, e com possibilidade até de estrelar o musical Cats, a californiana não pensou duas vezes quando precisou largar sua carreira para integrar a equipe de roteiro da série Roseanne. A partir disso, começou a trilhar seus primeiros passos no que se tornaria uma longa caminhada na comédia.

Continue lendo “As mulheres de Amy Sherman-Palladino”

5 anos de Anne with an E: a adaptação que trouxe voz e coragem para as mulheres

É uma imagem da personagem Anne em foco ao centro, com o cenário desfocado, em tons terrosos, de uma praia com rochedos ao fundo, e um céu acinzentado. Anne é uma menina com aproximadamente 11 anos de idades, bem magra, de pele branca bem clara, sardas no rosto, grandes olhos azuis e cabelos, longos, lisos e ruivo natural, preso em duas tranças por um pequeno pedaço de tecido branco; alguns fios estão esvoaçando ao vento para a esquerda da imagem. Ela veste um vestido cinza claro com uma estampa minimalista de listras finas em cinza escuro, na vertical e horizontal, enrolada em um cobertor de flanela cinza levemente mais escuro. A cena mostra a personagem do busto para cima, focando em seu rosto levemente inclinado para cima. Anne está com uma expressão serena, a boca mostrando os dentes e olhando para o céu.
“Não é o que o mundo tem pra você, é o que você traz ao mundo” (Foto: Netflix)

Júlia Caroline Fonte

Grandes palavras são necessárias para expressar grandes ideias”. A frase de Anne Shirley Cuthbert descreve de maneira certeira o impacto que sua história causou ao longo de 5 anos desde o seu lançamento. A série canadense da Netflix, Anne with an E, teve sua estreia em 2017, e ainda hoje se destaca por ser a adaptação mais corajosa da obra de L. M. Montgomery. Essa nova versão, inspirada na série de livros Anne de Green Gables, conseguiu se adequar aos temas atuais de forma leve e encantadora, tanto em sua história quanto em seu visual.

Continue lendo “5 anos de Anne with an E: a adaptação que trouxe voz e coragem para as mulheres”

Persona Entrevista: Rian Córdova e Leonardo Menezes

Diretores de Luana Muniz – Filha da Lua detalham a importância da representatividade trans na Arte e as dificuldades do Cinema independente

Arte retangular horizontal de fundo vermelho. No lado esquerdo, foi adicionado o texto "PERSONA ENTREVISTA" na vertical, repetidas vezes. No centro, foi adicionada uma foto em preto e branco dos diretores Rian Córdova e Leonardo Menezes. No lado direito, foi adicionada uma imagem do poster de seu filme, Luana Muniz - Filha da Lua, e acima, foram adicionados seus nomes, "rian córdova e leonardo menezes".
Em dose dupla, o Persona Entrevista de hoje conta com os cineastas Rian Córdova e Leonardo Menezes, em uma conversa à respeito de seu mais novo longa, o documentário Luana Muniz – Filha da Lua (Foto: Reprodução/Arte: Jho Brunhara)

Caroline Campos e Vitor Evangelista

Quatro meses atrás, o Persona entrou em contato com o emocionante longa Luana Muniz – Filha da Lua. Naquele agosto, mês que celebra os documentários brasileiros, tivemos a oportunidade de, além de conferir as sutilezas e conhecer a jornada da personagem-título, entrevistar seus dois realizadores. Em uma breve conversa terça-feira antes do almoço, Rian Córdova e Leonardo Menezes relataram desde os processos de criação do filme até o que o futuro os reserva daqui para a frente.

Continue lendo “Persona Entrevista: Rian Córdova e Leonardo Menezes”

A fuga de si mesmo em Jamais o fogo nunca

Durante as 172 páginas de Jamais o fogo nunca, a escritora Diamela Eltit destrincha os paradoxos da militância política durante a Ditadura chilena (Foto: Reprodução/Arte: Jho Brunhara)

Bruno Andrade

“Pode o subjugado falar? Pode o oprimido falar? Pode o desiludido falar? Pode o derrotado falar?”, indaga Julián Fuks no prefácio de Jamais o fogo nunca, livro da chilena Diamela Eltit traduzido por ele. “Nas páginas deste livro não despontará nenhuma resposta precisa a essas questões fundamentais”, conclui. Essas são as cartas postas à mesa: Eltit não tem interesse em responder nenhuma das questões levantadas ao longo do romance, considerado seu trabalho principal; no entanto, o leitor encontrará uma espécie de distopia do século XXI, narrada de forma íntima, na qual há o aceno constante ao esquecimento em que são jogados aqueles que lutaram em favor da democracia, deixados à deriva.

Continue lendo “A fuga de si mesmo em Jamais o fogo nunca”

Mindhunter exterioriza os monstros que vivem dentro de nós

Cartaz da segunda temporada de Mindhunter. Na imagem, Bill e Holden estão de costas um para o outro. Bill está à esquerda e é um homem branco de meia idade com expressão rígida e cabelos cortados baixos. Holden está à direita e é um homem branco mais jovem, com cabelos bem penteados e curtos, e uma expressão dispersa. Ambos estão de terno. A imagem é em preto e branco.
O desempenho ruim na audiência da 2ª temporada de Mindhunter foi o motivo do desprezo da Netflix pela série, que segue ignorando o apelo dos fãs e divulgou em 14 de outubro outro projeto com David Fincher (Foto: Netflix)

Nathália Mendes

Mindhunter te faz um convite: sente-se à mesa com os protagonistas da série para entrevistar uma lista de criminosos repulsivos. A década de 70 nos Estados Unidos foi uma máquina de serial killers, mas a onda de horror causada por Ted Bundy, O Filho do Sam e BTK também foi acompanhada pelo fascínio. Da abominação por esses homens, houve a curiosidade e necessidade de entendê-los. O que pensaram para escolher aquela vítima e matar daquela forma? Por que todas as suas ações seguem um padrão meticuloso, específico, premeditado, mas as vítimas são estranhas? A série mostra os pioneiros em fazer essas perguntas cujas respostas são indigestas, na busca por traçar perfis de assassinos – um trabalho da vida real que revolucionou a Unidade de Ciência Comportamental do FBI. E mesmo assim, sem cancelamento ou continuação, a série está há 2 anos no limbo da Netflix.

Continue lendo “Mindhunter exterioriza os monstros que vivem dentro de nós”

O Sacrifício do Cervo Sagrado: uma luta de sobrevivência para a purificação do pecado

Cena do filme O Sacrifício do Cervo Sagrado. A personagem Anna, uma mulher loira, está ao lado esquerdo com mais claridade e o personagem Steve, um homem branco, está vestido com um jaleco médico  do lado direito com menos claridade. Ambos estão se encarando pela porta de vidro do hospital. 
As atuações de Colin Farrell e Nicole Kidman dão ainda mais vida à estranheza do filme (Foto: A24 Films)

Tiago Way

O Sacrifício do Cervo Sagrado é uma produção da A24 Films dirigida por Yorgos Lanthimos (Dente Canino, 2009), lançado em Cannes em 2017, onde recebeu o prêmio pelo júri de Melhor Roteiro (creditado ao diretor e a Efthymis Filippou) e foi altamente aplaudido pelo público do festival. O filme acompanha a vida do cardiologista Steve (Colin Farrell), que é casado com a oftalmologista Anna (Nicole Kidman). O casal vive tranquilamente com seus dois filhos Kim e Bob, e logo são submetidos a um estado de conflito com a chegada do jovem Martin (Barry Keoghan). O longa é inspirado na obra dramatúrgica grega Ifigénia em Áulide

Continue lendo “O Sacrifício do Cervo Sagrado: uma luta de sobrevivência para a purificação do pecado”

As Mulheres da 6ª Mostra de Cinema Feminista

De 14 de agosto a 3 de setembro, as colaboradoras, redatoras e editoras do Persona estudaram as múltiplas óticas que compreendem o que é ser mulher através das obras da 6ª Mostra de Cinema Feminista (Arte: Ana Júlia Trevisan/Texto de Abertura: Raquel Dutra)

Se não a Arte, quem é que vai ter coragem de refletir sobre o que é ser mulher em 2021? Essa foi a conclusão da nova experiência do Persona, que se dedicou a acompanhar a 6ª Mostra de Cinema Feminista. Do dia 14 de agosto ao dia 3 de setembro, a internet nos permitiu fazer parte de mais um encontro para pensar e apreciar o Cinema de forma totalmente online e gratuita. Depois de flutuar pelo que existe de mais diverso, fantástico, inventivo e maravilhoso na Sétima Arte, encaramos uma perspectiva específica e nada leviana: a da mulher.

Como sempre, o Persona se manifesta como uma iniciativa jornalística expressamente contrária a toda e qualquer forma de preconceito e discriminação. A premissa de falar sobre feminismo em 2021 é apenas uma: que este termo compreenda a mulher em sua totalidade. Assim, as colaboradoras, redatoras e editoras do Persona mergulharam na seleção vasta da 6ª Mostra de Cinema Feminista, composta por 126 filmes nacionais e internacionais, e acompanhada por 5 debates que refletiram sobre a produção cinematográfica contemporânea.

A Mostra de Cinema Feminista é realizada pela Coletiva Malva desde 2015, sob o objetivo de construir um espaço de fruição e fomento ao audiovisual realizado por mulheres cis e trans, pautando debates raciais, de gênero, histórias sobre amores e paixões, relações familiares, sociais, econômicas, históricas e culturais. E no ano de 2021, em sua sexta edição, a realização não fugiu à premissa central de sua concepção: explorar os muitos temas que nascem da combinação do Cinema com os Feminismos.

De crianças à jovens, de adultas à idosas; entre personalidades históricas e existências ordinárias; diante de mulheres reais ou inventadas; doces ou salgadas, azedas ou amargas; seja para rir ou para chorar, para sonhar ou para realizar, vivendo suas liberdades ou estudando suas prisões, Ana Júlia Trevisan, Ayra Mori, Gabriela Reimberg, Gabrielli Natividade, Júlia Paes de Arruda, Ma Ferreira, Mariana Chagas, Raquel Dutra e Vitória Lopes Gomez assistiram 34 filmes da seleção da 6ª Mostra de Cinema Feminista, para agora estudar muitos aspectos da imensidão do ser mulher.

Continue lendo “As Mulheres da 6ª Mostra de Cinema Feminista”

A intimidade libertina de Luana Muniz – Filha da Lua

Cena do filme Luana Muniz - Filha da Lua. A foto mostra Luana sentada em seu camarim, maquiada, de vestido prateado e unhas vermelhas, olhando diretamente para a câmera. Ela tem a mão esquerda apoiando o rosto. Ao seu redor, vemos outras pessoas se preparando para o show.
Em pouco mais de uma hora, o sentimental, mas não melancólico, Luana Muniz – Filha da Lua nos convida ao enevoado camarim da Rainha da Lapa (Foto: Guilherme Correa/Guaraná Conteúdo)

Caroline Campos e Vitor Evangelista

Luana Muniz viveu uma vida coletiva. Isso não é apenas dito, mas também mostrado pelo filme que carrega, além de seu nome, uma alcunha muito singular: Filha da Lua. Travesti, ativista, atriz, prostituta e Rainha da Lapa. Bocuda, intensa, carismática e protetora. Sob as lentes de Rian Córdova e Leonardo Menezes, o mundo conhece e se despede daquela que já deveria estar marcada na memória de um país ensinado a odiar minorias

No mês em que é celebrado o Dia do Documentário Brasileiro, Luana Muniz – Filha da Lua busca o sóbrio no lugar do quimérico. Unidos na direção, os cineastas revisitam momentos da vida da artista, partindo do hoje para retomar as cicatrizes que formaram a armadura dessa guardiã da comunidade LGBTQIA+. Mas se engana quem pensa que os 78 minutos de rodagem pintam Luana como uma santa padroeira.

Continue lendo “A intimidade libertina de Luana Muniz – Filha da Lua”