A quem pertence O Babadook?

Imagem de divulgação do filme “O Babadook”, de 2014. Foto preto-e-branco de uma página acinzentada. No centro, vemos o desenho de Babadook, feito com lápis preto. Trata-se de uma silhueta alongada, com os braços colados sobre o tronco e os longos dedos de suas mãos abertos. Ele tem olhos esbugalhados, um nariz triangular, e uma grande boca cheia de dentes que se abre em um sorriso perturbador. Além disso, ele veste na cabeça uma cartola. Sua sombra se projeta do lado esquerdo até o desenho de um armário com a porta aberta. E, do lado direito, em paralelo com o armário, vê-se o desenho de uma porta semi-aberta.
O nome “Babadook” trata-se de um neologismo que reproduz a pronúncia de “a bad book”, “um livro mau” em inglês (Foto: Causeway Films)

Enrico Souto

Filme australiano independente lançado em 2014, O Babadook é um dos longas mais marcantes da história recente do Terror e, a despeito de sua pouca visibilidade, foi um sucesso de crítica, sendo considerado hoje um clássico moderno. Seus méritos narrativos e cinematográficos são incontestáveis, porém, o que realmente o marcou como um ícone da cultura pop foi sua apropriação feita pela comunidade LGBTQIA+. Embora visto por muitos como uma grande piada, esse paralelo com a experiência queer evoca camadas da narrativa que jamais seriam alcançadas em uma leitura mais superficial. E, visto que parte do público médio repudia essa relação, é necessário questionar: a quem pertence uma obra como O Babadook?

Continue lendo “A quem pertence O Babadook?”

Savage X Fenty Show é um espetáculo que celebra todos os tipos de corpos

Cena do Fenty X Savage Show. Uma mulher negra, gorda, de cabelos pretos e grandes, usando um sutiã e saia azuis metálicos desfilando entre dez dançarinas, usando macacões azuis. Ao lado delas há corrimões e luzes azuis ao fundo.
Savage X Fenty Show é a combinação perfeita de moda e coreografia (Foto: Amazon Prime Video)

Luisa Rodrigues

Em 2017, Rihanna fundou sua marca de beleza Fenty Beauty e passou a se dedicar ao empreendimento. Expandindo seus negócios, um ano depois, ela lançou a linha de lingerie Savage X Fenty. A partir de 2019, os desfiles da marca começaram a ser lançados pelo streaming Amazon Prime Video e, no dia 24 de setembro deste ano, o terceiro volume do show chegou ao serviço, mais uma vez com um belo desfile de Moda imersiva e inovadora, combinando Música, coreografia e performances incríveis. 

Continue lendo “Savage X Fenty Show é um espetáculo que celebra todos os tipos de corpos”

Chegou Quem Faltava veio para mostrar que Um Dia a Gente Se Encontra

Capa do álbum Chegou Quem Faltava da banda Charlie Brown Jr. Desenho de uma lula vermelha, em um fundo com tom de vermelho mais escuro. A lula segura três skates e um microfone, cada qual envolvido em um de seus tentáculos. No canto superior direito está escrito em letras maiúsculas “Chegou Quem Faltava”, em amarelo. No canto inferior direito pode-se ler “Charlie Brown Jr.” na cor branca.
Chegou Quem Faltava, show ao vivo gravado em 2011 chega às plataformas em 2021 em comemoração ao dia mundial do rock (Foto: Sony Music Entertainment Brasil)

Raquel Sampaio

“Charlie Brown não é meu emprego, Charlie Brown é minha vida”. São com palavras diretas como essas, nos intervalos entre as músicas do Chegou Quem Faltava, show gravado em 2011 e publicado em dois volumes em 2021, que Chorão coloca para fora toda a paixão e intensidade dedicadas ao maior projeto de sua história, a banda Charlie Brown Jr.. Carregado de muita nostalgia e um astral contagiante, o disco de 29 faixas chega para celebrar um legado e matar as saudades.

Continue lendo “Chegou Quem Faltava veio para mostrar que Um Dia a Gente Se Encontra”

Um, dois, Freddy vem te pegar

Em A Hora do Pesadelo, nem mesmo as canções infantis são inofensivos frutos da imaginação: tudo aparenta estar no domínio de Freddy Krueger.  

Texto alternativo: Cena do filme A Hora do Pesadelo. Fotografia retangular. Ao fundo, vemos um quarto com as luzes apagadas. Na parte superior, um vulto empurra a parede como se ela fosse um lençol. Na parte inferior, a personagem Nancy aparece dormindo.
Todas as fotos parecem clichês para representar um clássico que inovou o subgênero slasher (Foto: New Line Cinema)

Eduardo Rota Hilário

O ano é 1984, e os filmes de terror slasher estão a todo vapor. Eis que surge, brilhantemente, no meio de fórmulas para o sucesso, o então inédito A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street). Dirigido por Wes Craven, mesmo diretor de Pânico, o longa-metragem baseado em histórias reais fortaleceu, por meio da inovação, o subgênero de horror em alta naquele momento. Diferente dos assassinos silenciosos e minuciosamente estrategistas até então conhecidos, como Jason Voorhees e Michael Myers, o público agora é convidado a mergulhar no estranho mundo de Freddy Krueger. Psicopata igualmente imprevisível e poderoso, foi ele quem trouxe um respiro necessário aos filmes da época, fugindo da mesmice.

Continue lendo “Um, dois, Freddy vem te pegar”

Kings of Leon se vê no espelho em When You See Yourself

Capa do álbum When You See Yourself. Na imagem, duas fotos estão centralizadas em um quadrado branco, e mostram a sombra de Jared Followill, Caleb Followill, Nathan Followill e Matthew Followill. Abaixo das duas fotos está escrito Kings of Leon em fonte de cor preta, e abaixo do nome da banda está escrito When You See Yourself, também em fonte de cor preta.
When You See Yourself é o oitavo disco de Kings of Leon, lançado após cinco anos sem novidades (Foto: RCA Records/Sony Music Entertainment)

Bruno Andrade

Muitos estariam mentindo se não assumissem que gritaram loucamente o refrão de Sex on Fire em alguma ocasião. Mas há tempos que o Kings of Leon se distanciou daquele som envolvente de 2008, e essa distância não ocorre somente pela medida do tempo, ficando evidente em cada novo álbum que se trata de uma escolha. Lançado em março deste ano, When You See Yourself, oitavo disco do grupo, acena para o rock alternativo de seus anos de ouro, mas, diferente dos antecessores, traz o amadurecimento como força motivadora.

Continue lendo “Kings of Leon se vê no espelho em When You See Yourself”

The Loud House: O Filme esbanja realeza mas não é digno de soberania

Cena retirada do filme The Loud House, com os pais Rita Loud e Lynn e as crianças Lori, Leni, Luna, Luan, Lynn, Lucy, Lana, Lola, Lisa, Lily e Lincoln, todos vestem roupas da realeza em frente a um castelo.
A frase da trilha sonora “Um menino, dez meninas” nasceu antes dos Louds que conhecemos (Foto: Netflix)

Thuani Barbosa

Diversão, momentos família, intrigas de uma vilã descontrolada e até criaturas místicas. Tudo isso é o que você vai encontrar em The Loud House: O Filme, tão digno da realeza que, se The Crown fosse uma animação, seria essa. Por mais que seja uma narrativa infantil recheada de bom humor, boas amizades e todas as grandes lições que se espera desse tipo de produção, a história conta com reflexões de ‘gente grande’, como insegurança e a importância do apoio familiar. A família barulhenta vai conquistar espaço no seu sofá!

Continue lendo “The Loud House: O Filme esbanja realeza mas não é digno de soberania”

Doutor Sono demonstra na pele a tortura que é lidar com os demônios do passado

Cena do filme Doutor Sono. Fundo predominante azul escuro. Um homem branco com cabelos castanhos está de costas e veste uma blusa acinzentada. A sua frente está uma parede azul escura com aspecto de vidro quebrado escrito Who Murder em letras bagunçadas e iluminadas por uma luz branca.
Dan Torrance tenta superar seus traumas passados, mas sua paz está com os dias contados quando começa a ter comunicações telepáticas com a pequena e especial Abra (Foto: Warner Bros.)

Leticia Stradiotto

Não é novidade que o memorável O Iluminado seja peça-chave nas principais produções cinematográficas do Terror. Apesar da rejeição de Stephen King – escritor da obra literária – o filme é um trabalho espetacular e extremamente agonizante de Stanley Kubrick, que trouxe à realidade a insanidade e as perturbações mundanas. A fim de realizar uma adaptação correspondente aos livros, King apostou suas obras em mais uma produção fílmica: Doutor Sono (2019), que oferece não só uma continuação, mas, também, explicações deixadas para trás no filme de 1980.

Continue lendo “Doutor Sono demonstra na pele a tortura que é lidar com os demônios do passado”

The Box – No Ritmo do Coração sincroniza os batimentos cardíacos dos protagonistas ao dos telespectadores

Cena do filme The Box - No Ritmo do Coração. Foto dos personagens Minsoo e Jihoon caminhando em uma praia. Minsoo, a esquerda, tem cabelos pretos curto e barba, carrega um violão nas costas e usa uma camisa social branca, calça azul escuro e um sapato social marrom. Ao seu lado direito, Jihoon, com cabelos castanhos e curto, ele usa um colar, uma camisa xadrez marrom e cinza por cima de uma camiseta branca, calça jeans e tênis azul. Ao fundo da imagem podemos ver uma pessoa tirando foto de outras, o mar e alguns prédios.
“Um filme que faz bem ao corpo, alma, olhos, enfim, tudo”, disse Chanyeol sobre The Box em uma entrevista para o Telecine (Foto: Cine Pilwoon)

Talita Cardoso

Você também já sentiu vontade de sumir ou se esconder dentro de uma caixa? O musical confortável de assistir, The Box – No Ritmo do Coração, retrata a história de um jovem que tem um talento nato para a Música, mas não segue a carreira musical por possuir uma forte fobia de palcos, e seu encontro com um produtor musical que muda sua vida. A produção foi lançada na Coreia do Sul em 24 de março de 2021, e, recentemente, distribuída no Brasil com dublagem e legendas em português pelo Telecine, com direito a watch party com os fãs no Twitter organizada pela própria plataforma de streaming.

Continue lendo “The Box – No Ritmo do Coração sincroniza os batimentos cardíacos dos protagonistas ao dos telespectadores”

Scream: eles sempre voltam

Cena da série Scream. Na foto, em um primeiro plano, vemos uma pessoa vestindo uma capa preta, luvas pretas e uma máscara cirúrgica branca, empunhando uma faca.
Ao contrário dos filmes, a série Scream não ganhou um nome traduzido e permaneceu homônima ao título original da franquia (Foto: MTV)

Vitória Lopes Gomez

Em uma época em que os slashers já estavam mais do que consolidados, Pânico se tornou um clássico por um motivo: o filme de Wes Craven revitalizou o subgênero ao se aproveitar das próprias convenções e regras e subvertê-las a seu favor. As fórmulas e os clichês viraram brincadeira nas mãos do diretor e do roteirista Kevin Williamson. Com muita referência, metalinguagem e, acima de tudo, autoconsciência, Pânico deu um jeito de satirizar o Terror ao mesmo tempo que se tornava um dos maiores clássicos do gênero.

Como a franquia de filmes apontou, “eles sempre voltam”. E assim foi: alguns anos e algumas sequências depois, a MTV resolveu dar continuidade às obras no formato televisivo. Afinal, “adolescentes” era basicamente o carro-chefe da emissora e, contanto que as vítimas agissem como a idealização das pessoas da idade, até um assassino à solta renderia conteúdo. O primeiro desafio veio, justamente, em adaptar os 120 minutos dos longas para os 10 episódios da primeira temporada de Scream. O próprio Noah avisou no piloto: slashers não duram muito tempo.

Continue lendo “Scream: eles sempre voltam”

10 anos de Fastlife: a vida rápida de um Joe Jonas sem os “brothers”

Capa do álbum Fastlife. O fundo possui um degradê decrescente, do laranja na parte superior até um amarelo esverdeado, na parte inferior. O cenário remete a uma estação de metrô, como uma foto tirada do movimento dos trens. Ao centro da imagem, está o cantor Joe Jonas, somente da cintura para cima. Ele é branco, tem cabelos pretos curtos nas laterais, sobrancelhas grossas, barba e bigode raspados. Ele possui uma expressão séria, olhando para frente, com a boca semicerrada. Ele veste uma camisa xadrez azul e preto, com um casaco preto de couro por cima. Sobre seu peito, afastado, está escrito Joe Jonas em letras brancas e maiúsculas. Logo abaixo, está escrito Fastlife em letras verdes claras e maiúsculas. No canto inferior esquerdo, está o selo de Parental Advisory - Explicit Content, em preto e branco.
“Eu quero te levar para um lugar/Onde o amor é algo mais do que você imagina” (Foto: Jonas Brothers Recording LLC)

Júlia Paes de Arruda

Sim, é isso mesmo que você está pensando: Joe Jonas tem um álbum solo e ele está completando uma década este ano. Ainda que seja completamente esquecível para muitos de nós, Fastlife foi a grande chance do irmão do meio longe dos holofotes da Disney e um dos primeiros indícios da separação da banda que o impulsionou nesse meio. Com poucos acertos, seu trabalho buscou trazer alternativas ousadas e versões desconhecidas do artista até aquele momento, distantes da imagem do querido intérprete de Shane Gray

Continue lendo “10 anos de Fastlife: a vida rápida de um Joe Jonas sem os “brothers””