É claro que seu filme de terror favorito é Pânico

Cena do filme Pânico. Nela vemos uma pessoa vestindo um capuz preto e uma máscara branca com olhos pretos e a boca aberta. Há uma faca na mão direita. Na sua frente, e de costas da câmera, há uma mulher loira de cabelo na altura dos ombros. Ela veste um suéter bege. Na mão direita está um telefone branco que ela segura contra a orelha. Há um vidro entre os dois. O fundo é uma sala de jantar.
Em 2021, Pânico celebra 25 anos de sua estreia no mundo do slasher (Foto: Dimension Films)

Ana Júlia Trevisan

Você com certeza já viu essa máscara em algum lugar. Pode não saber sobre o que se trata ou não conhecer o roteiro do filme, mas é certo que conhece a Ghostface. Esse é o efeito Pânico: ser um divisor de águas e marcar de maneira inabalável o Terror apenas por sua identidade visual. Você está sozinha em casa à noite, fazendo pipoca e esperando seu namorado chegar. De repente, o telefone começa a tocar e você se vê dentro de um jogo macabro onde o fim é a morte. Essa é a fenomenal introdução de Scream, a franquia de Wes Craven que colocou o slasher de volta no radar e desmistificou que o subgênero do Horror estava em decadência.

Continue lendo “É claro que seu filme de terror favorito é Pânico”

Kenan e Kel: pega um refrigerante de laranja, um ingresso da loteria, uma fantasia de mariposa e me encontra no zoológico

Foto da série Kenan e Kel. Kenan está a direita. Ele é um homem negro, de cabelos enrolados e usa uma jaqueta marrom. Ao seu lado está Kel, um homem negro com chapéu preto e camisa listrada. Kel toma um refrigerante no canudo. O fundo é azul.
Kenan, o cérebro da dupla, e Kel, o amante de refrigerante de laranja (Foto: Nickelodeon)

Marcela Zogheib

Em 2021, completam-se 25 anos da primeira vez que ouvimos “Kenan e Kel foi gravado nos estúdios da Nickelodeon na Universal Studios em Orlando, Flórida”. A série de dois adolescentes que entram diariamente em confusões e não se desgrudam de jeito nenhum estreou nos Estados Unidos no dia 15 de julho de 1996, e, apesar de ter feito sucesso na sua emissora de origem, conquistou grande parte do público brasileiro pelas reprises nas tardes da Globo, Band e SBT junto com Todo Mundo Odeia o Chris, Um Maluco no Pedaço e Eu, a Patroa e as Crianças.

Continue lendo “Kenan e Kel: pega um refrigerante de laranja, um ingresso da loteria, uma fantasia de mariposa e me encontra no zoológico”

I’ve been a bad, bad girl: 25 anos da genialidade traumática de Fiona Apple em Tidal

Capa do álbum Tidal de Fiona Apple. Na imagem, apenas seu rosto aparece com muito zoom. Fiona é uma mulher branca de olhos azuis.
Em julho, Tidal comemora 25 anos (Foto: Columbia Records)

Laís David

Quando Fiona Apple subiu no palco do Video Music Awards para aceitar o prêmio de Melhor Nova Artista, em 1997, ela não tinha noção do impacto cultural de seu discurso. Se baseando na sua inspiração de infância, Maya Angelou, ela utilizou seu ínfimo espaço na premiação para professar uma queixa contra a indústria da música. “Esse mundo é uma porcaria. Você não deveria modelar a sua vida em torno do que você acha que nós achamos que é legal”. Mais de duas décadas depois do lançamento do álbum premiado naquela noite, Fiona Apple ainda nada contra a corrente com destreza.

Continue lendo “I’ve been a bad, bad girl: 25 anos da genialidade traumática de Fiona Apple em Tidal”

Showgirls: 25 anos de uma transgressão vulgar

O exagero das eróticas cenas de dança e figurinos são apelativos, e também marca registrada do filme (Foto: Reprodução)

Isabella Siqueira

Mesmo que seja considerado um fracasso, o filme Showgirls merece ser revisitado décadas depois.  A obra, que estreava 25 anos atrás, explora de forma provocadora um mundo corrompido. Dirigido por Paul Verhoeven (Robocop),  conta com cenas de dança marcadas por muita nudez gratuita, podendo ser descrito por muitos como desagradável e incômodo. Contudo, deve ser aclamado, principalmente, por sua grosseria.

Continue lendo “Showgirls: 25 anos de uma transgressão vulgar”

25 anos de Seven: senhoras e senhores, temos um homicídio

A grandiosa dupla do filme: Pitt e Freeman (Foto: Reprodução)

Vitor Tenca

A crença de que a Terra era quadrada caminhava lado a lado com a ciência em épocas passadas e, junto consigo, diversas teorias do que existia do outro lado eclodiram. Quem criou uma passagem um tanto quanto maluca foi Dante Alighieri em seu livro A Divina Comédia, que se baseava na ideia de que o inferno possuía níveis para cada pecado capital. Mas não é apenas nesse período que sua obra é utilizada como fonte de inspiração. Em Se7en – Os Sete Crimes Capitais, David Fincher esculpe seu antagonista mais diabólico para contrastar com seu caráter messiânico, quase saído do Purgatório.

Continue lendo “25 anos de Seven: senhoras e senhores, temos um homicídio”

Mesmo 25 anos depois, Sussurros do Coração consegue dialogar e emocionar o público atual

“A pedra bruta está dentro de você. É seu dever achar e poli-la. Leva tempo e esforço.” – Shiro (Foto: Reprodução)

Anna Clara Leandro Candido

Os filmes do estúdio Ghibli são bem conhecidos por suas histórias cercadas de detalhes, reflexões sobre a vida e, principalmente, sobre os sentimentos que a compõem. Seja a trama sobre uma guerreira loba, um castelo animado ou o peculiar vizinho de duas garotinhas, é quase certeza de que, ao fim de cada filme, o espectador saia com um sentimento de paz e felicidade dentro de si. Segundo seu cofundador Hayao Miyazaki, o estúdio tem como principal objetivo demonstrar a beleza da vida através das pequenas coisas de nosso cotidiano. É por esse motivo que as obras marcam tão profundamente o espectador e os fazem carregá-las consigo por tantos anos. Com Sussurros do Coração não é diferente. Continue lendo “Mesmo 25 anos depois, Sussurros do Coração consegue dialogar e emocionar o público atual”

Antes do Amanhecer é uma ode aos breves encontros

Antes de desenvolver a crítica, façamos um exercício de pensamento. Quantas vezes já aconteceu de você conhecer uma pessoa, ter uma conversa envolvente, viver um momento daqueles de querer guardar para sempre num gavetinha, e no final nunca mais vê-la novamente?

Céline (Julie Delpy) e Jesse (Ethan Hawke) e Jesse vivem um dia inesquecível (Foto: Reprodução)

João Batista Signorelli

Poucos filmes foram capazes de capturar tão naturalmente a beleza dos encontros passageiros como Antes do Amanhecer (1995), que em 2020 completa 25 anos e continua tão jovem quanto em seu lançamento. Em um trem cruzando o continente europeu, dois jovens adultos, o norte-americano Jesse (Ethan Hawke) e a francesa Céline (Julie Delpy) se conhecem por acaso. Jesse convence Céline a descer em Viena, onde têm apenas uma tarde uma noite para conviverem antes que ele parta em um voo de volta aos EUA pela manhã e ela retorne a Paris de trem.  

Continue lendo “Antes do Amanhecer é uma ode aos breves encontros”

As Patricinhas de Beverly Hills e o ápice dos anos 90

(Foto: Reprodução)

Isabella Siqueira

“Ugh, As If!” – Cher Horowitz

Estreava 25 anos atrás, o filme Clueless, ou (como foi intitulado no Brasil) As Patricinhas de Beverly Hills. Esse clássico da cultura jovem recontou o livro Emma, da escritora Jane Austen, mas levando a trama inglesa para o alto de Beverly Hills. O longa-metragem escrito e dirigido pela cineasta Amy Heckerling, conquista pelos clichês adolescentes que ainda hoje fazem sucesso. Com uma trama simples, o filme consegue mesclar bem a comédia e os estereótipos jovens: os maconheiros, os skatistas e as “material girls”.

Continue lendo “As Patricinhas de Beverly Hills e o ápice dos anos 90”

25 anos depois, já podemos parar de falar sobre Friends

I’ll be there for you (Foto: NBC)

Vitor Evangelista 

Friends é a grande série do século XX. A comédia sobre os seis amigos de Nova Iorque que conquistou a cultura pop num solavanco, hoje se prostra como uma das maiores produções televisivas da história. A sitcom comemorou vinte e cinco anos no fim de setembro e fãs mundo afora celebraram o legado e as piadas de Rachel, Joey, Phoebe e companhia. Mas, tanto tempo depois da estreia, Friends deveria deixar os holofotes de lado.

Grande parte do buzz do seriado vem da exibição global da Netflix. O fácil acesso aos 236 episódios exibidos originalmente pela NBC entre 1994 e 2004 é primordial para manter acesa a chama de discussão da série. Todavia, com todas as portas que Friends abriu, carreiras que lançou e conteúdos que originou, o grande público pode voltar atenções a outras grandes produções lançadas de lá para cá. E não há problema algum nisso.

Continue lendo “25 anos depois, já podemos parar de falar sobre Friends”