Os 60 anos de Chico Bento e a religiosidade do Brasil profundo

Desenho de um quadro das histórias do Chico Bento. A personagem Chico Bento ajoelha-se, rezando e chorando, enquanto seus pais olham preocupados.
Desolado pela maldade humana, Chico (ch)orou (Foto: Chico Bento, 144ª Edição, Editora Globo, 1992)

Carol Dalla Vecchia e Mateus Conte

A década de 60 no Brasil foi tortuosa. Naquela época, o país vivia uma crise política sem precedentes: a posse e repentina renúncia de Jânio Quadros abalava as bases democráticas da nação. Enquanto isso, a mil quilômetros do centro do planalto vazio, um ex-repórter policial iniciava uma das suas criações mais memoráveis.

Começos raramente são pomposos. Não foi diferente com o interiorano Mauricio Araújo de Sousa, convidado pela conhecida Cooperativa Agrícola de Cotia para desenvolver uma nova obra dos quadrinhos: os caipiras Zezinho e Hiroshi. Hiro, como é conhecido, representava os funcionários e familiares da CooperCotia, formada quase exclusivamente por isseis e nisseis. Dois anos depois, surgia o hoje famoso Chico Bento. Ou seja, ainda que Francisco Antônio Bento tenha surgido apenas em 1963, sua turma nasceu há exatos 60 anos. 

Continue lendo “Os 60 anos de Chico Bento e a religiosidade do Brasil profundo”

Mulher Maravilha 1984 é a linha tênue entre expectativas e realidade

A imagem mostra Gal Gadot como Mulher Maravilha. Ela usa uma armadura dourada e tem os cabelos pretos soltos por baixo de um capacete com formato de águia. Ao findo vemos asas desfocadas nas cores azul, verde, vermelho e amarelo. Em um primeiro plano há o laço da verdade brilhando.
“A grandeza não é o que você pensa” (Foto: Reprodução)

Ana Laura Ferreira

“Diana de Themyscira, filha de Hippolitya, Rainha das Amazonas”. Mas e se ela fosse mais do que isso? O que aconteceria se ela saísse definitivamente do santuário destas guerreiras gregas e se mudasse para o “reino dos homens”? Mesmo tendo provado um gostinho dessa adaptação da heroína à um novo cotidiano em Mulher Maravilha (2017), Patty Jenkins torna a trazer Gal Gadot no papel da matadora de deuses, mas dessa fez de forma muito mais habituada, orgânica e organizada em Mulher Maravilha 1984.

Continue lendo “Mulher Maravilha 1984 é a linha tênue entre expectativas e realidade”

Boa Noite Punpun Vol.1 e a Jornada de um Pássaro Infeliz

A capa amarela do primeiro volume, publicado pela JBC aqui no Brasil (Foto: Reprodução)

Nuno Vieira da Silva Amorim

Boa Noite Punpun, escrito pelo mangaká Inio Asano, foi meu retorno aos mangás físicos, e liberou um gosto que até pouco tempo estava enterrado em mim — o de ler gibis. Dessa vez, um com uma história adulta e temas complexos e profundos, do gênero Slice Of Life , que também descobri ser um dos meus gêneros favoritos. O Volume Um acompanha Punpun Punyama, que, com onze anos, vive o começo de uma adolescência conturbada e solitária.

Continue lendo “Boa Noite Punpun Vol.1 e a Jornada de um Pássaro Infeliz”

30 anos depois, Berserk continua sendo um clássico entre os mangás

Apesar dos hiatos e da negligência, a ‘Era de Ouro’ no cenário mercadológico ainda não acabou para Kentaro Miura

Na imagem, o Bando do Falcão (Foto: Reprodução)

Isabela Batistella

Completando seus 30 anos em agosto deste ano, a obra de maior sucesso de Kentaro Miura, Berserk, não está mais próxima de seu desfecho quanto estava há 10 anos. Sem uma devida periodicidade de publicação, segue sua trajetória sem se aproximar de seu devido fim. Mesmo com tais nuances, a história – atualmente em seu capítulo #359 – reuniu uma legião de fãs tão grande e tão fiel que Miura tem a liberdade de exercer seus charmes e hiatos o quanto quiser: ao lançar um capítulo, todo o fandom está lá para ler. 

Continue lendo “30 anos depois, Berserk continua sendo um clássico entre os mangás”

Homem de Ferro: 10 anos do início de uma nova era!

Raul Galhego

2008 foi cheio de decepções. Homem-Aranha 3, X-Men: O Confronto Final e Motoqueiro Fantasma lideram os insucessos de adaptações dos quadrinhos. A indústria de filmes de super-heróis começa a perder as esperanças. Mas eis que surge a luz no fim do túnel: o primeiro filme de produção independente da Marvel. Baseado em um herói de segunda classe das HQs, Homem de Ferro veio para introduzir ao mundo o que viria a ser o Universo Cinematográfico Marvel, ou MCU, que hoje conta com 18 filmes e milhares de fãs!
Continue lendo “Homem de Ferro: 10 anos do início de uma nova era!”

Uzumaki e Dylan Dog: dois extremos do quadrinho de horror

Gato de Cazã. Arte popular russa do século XIX, sem autoria.

O japonês Junji Ito e o italiano Tiziano Sclavi produzem quadrinhos de horror de maneiras bem distintas. Enquanto um explora conceitos, o outro se destaca pelas personagens carismáticas. De qualquer forma, ambos são mestres da imagem.

Lucas Marques

Primeiro, um recente causo: na madrugada do último dia 31, Dia das Bruxas, meu vizinho de quarto bateu em minha porta para questionar se era eu que tinha visto um gatinho preto em casa. Respondi que sim e ele falou “então olha isso!”, desocultando das costas um desenho feito com traços grossos em um papel de caderno já empoeirado e rasgado. A imagem me gelou a espinha de primeira vista. Era um gatinho desenhado com giz de cera preto, as formas tão tortas que poderiam ser mesmo de autoria de uma criança, mas com alguns detalhes que só poderiam ser feitos por um jovem ou adulto que sabe o cânone de tal coisa: dentes e orelhas pontiagudas; olhos elípticos com o preto interno também elíptico, mas invertido; calda em espiral. Continue lendo “Uzumaki e Dylan Dog: dois extremos do quadrinho de horror”

Após 10 anos, a lógica de Fun Home ainda é funcional

fun home capa

Adriano Arrigo

É muito estranho pensar que um filme como Velozes e Furiosos 6 tenha passado no Teste de Bechdel. Para quem não conhece, é um teste nada científico que leva somente em consideração prática a representação das mulheres em filmes. Se houver pelo menos duas delas e as mesmas aparecem conversando entre elas sobre algum tópico que não seja homens, esse filme passou no Teste de Bechdel. Parece simples, mas é assustador a quantidade de filmes que não conseguem passar nesse sistema criado pela cartunista americana Alison Bechdel, autora de Fun Home.

Numa brincadeira de uam tirinha, BEchedel criou um teste compeltamente legitimo sobre a representação feminina em filmes. (Reprodução)
Numa brincadeira de uma tirinha, Bechedel criou um teste completamente legitimo sobre a representação feminina em filmes (Reprodução)

Continue lendo “Após 10 anos, a lógica de Fun Home ainda é funcional”

Fábio Moon e Gabriel Bá: os quadrinistas internacionais

Fábio Moon (esquerda) e Gabriel Bá em conversa com o público no FestA! de Bauru. (Foto: Sesc Bauru/Juilio Riccó)
Fábio Moon (esquerda) e Gabriel Bá em conversa com o público no FestA! de Bauru (Foto: Sesc Bauru/Júlio Riccó)

Em entrevista exclusiva ao Persona, a dupla fala um pouco de seus quadrinhos internacionais e a relação com o público

Adriano Arrigo

Portugal, Argentina, Argélia, Itália e Suécia. Esses são alguns dos países que os quadrinistas brasileiros Gabriel Bá e Fábio Moon já visitaram, por conta do sucesso de suas obras. Na palestra “O Quadrinista Internacional”, que ambos trouxeram para Bauru como parte do FestA! – evento que aconteceu entre os dias 13 e 14 de março, em todas as unidades do Sesc – foram precisos mais de cinco mapas-múndi para mostrar todos os países que eles percorreram. “Faz tempo que não brinco de War”, brinca Moon, ao não saber mais que países são aqueles pintados no mapa. Continue lendo “Fábio Moon e Gabriel Bá: os quadrinistas internacionais”

Old Man Logan: o quadrinho inspirou o filme?

wolverine 66 old man logan capa
Capa da edição 66 de Wolverine Volume 3, começo do arco Old Man Logan

Eli Vagner Rodrigues

Se você é daqueles que acham que os quadrinhos e os filmes de heróis infantilizam o público, tem alguma razão; mas, diante da atual indiferença em relação à própria crítica, sobretudo aquela que se coloca como resistência a sistemas culturais hegemônicos, este parece ser um problema menor.  Continue lendo “Old Man Logan: o quadrinho inspirou o filme?”

Sick Sad World: Como Daria e Enid mostraram o quão fantasmagórico o nosso mundo é

Daria (ao centro) e a serenidade no olhar de quem não tem baixa auto-estima e, sim, baixa estima por todas as outras pessoas.
Daria (ao centro) e a serenidade no olhar de quem não tem baixa auto-estima e, sim, baixa estima por todas as outras pessoas

Bárbara Alcântara

É difícil de acreditar, mas houve uma época em que a MTV gastava os seus minutos com programas muito mais interessantes que Jersey Shore e My Super Sweet 16. Um exemplo é a série animada Daria, lançada em março de 1997 como um spin-off da queridinha da Era Dourada do canal, Beavis and Butt-Head. A protagonista era uma antítese da dupla de amigos sem noção que fez tanto sucesso: uma jovem inteligente, sarcástica e antissocial, que arrancava boas risadas do público ao tecer críticas ácidas ao estereótipo do americano “médio” – tudo isso sem esboçar um sorriso sequer. Continue lendo “Sick Sad World: Como Daria e Enid mostraram o quão fantasmagórico o nosso mundo é”