A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas é autêntico e memorável

Banner de divulgação do filme A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas. A cena é uma animação, com a família dentro de um carro laranja, voando, e o logo do filme aparecendo ao lado. A Família está em fonte branca, Mitchell em laranja, E a Revolta das em branca, e Máquinas azul. Ao fundo, vemos uma cidade, o céu cristalino e vários objetos flutuando a órbita do veículo.
Linda, Aaron, Katie e Rick, da esquerda para a direita, e Munchi, o cão, na frente (Foto: Netflix)

Nuno Amorim

A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas (2021) é o mais novo resultado de um acordo realizado entre as empresas Netflix e Sony: nele, foi decidido que os filmes da Sony e suas subsidiárias (isso inclui a Sony Pictures, produtora do filme), seriam lançados não só no cinema, mas também no serviço de streaming. Esse em específico estava planejado para ser distribuído apenas no cinema, mas uma pandemia entrou no caminho, e a Netflix ganhou no catálogo uma animação cheia de identidade, um drama bem construído e uma comédia de primeira. O mote ‘para todos os públicos’ se faz valer aqui: da criança pequena ao adulto calejado, qualquer um se diverte assistindo a essa obra prima.

Continue lendo “A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas é autêntico e memorável”

Opera: a grande máquina chamada sociedade

Imagem do filme Opera. A imagem mostra uma pirâmide com pequenos “setores”, cada setor realiza uma atividade diária. A base é escura e sombria enquanto o topo é iluminado e mais colorido. Ao fundo é possível ver uma tela preta e algumas nuvens ao topo.
Opera, indicado ao Oscar 2021 de Melhor Curta Metragem de Animação, mostra como nós construímos a pirâmide sociedade (Foto: Erick Oh)

Larissa Vieira

Rotina é algo que parece muito particular e que influencia somente no nosso dia a dia mas, é a partir dela que construímos os ciclos de nossas vidas; escola, faculdade, emprego, aposentadoria, etc. E são os nossos, únicos e particulares, estágios de vida que arquitetam o que chamamos de sociedade. A grande e tremenda máquina chamada sociedade.  

Continue lendo “Opera: a grande máquina chamada sociedade”

Yes-People: como um simples ‘sim’ constrói o ser humano

Imagem do filme Yes-People. Na imagem uma senhora branca de cabelo branco e vestido verde toma uma sopa sentada em uma mesa a frente de seu esposo, homem branco, careca que usa uma regata ao fundo e mexe num rádio. Na mesa, há um jornal, um prato de sopa e 2 canecas. Ao fundo, uma parede vermelha com cartazes.
Yes-People garantiu sua indicação ao Oscar 2021 em Melhor Curta-Metragem de Animação ao mostrar 1 só palavra em diferentes situações do dia a dia (Foto: Hólamói)

Larissa Vieira 

Há quem diga que o ser humano fala mais a palavra ‘não’ do que o próprio nome, mas isso faz com que nós não levemos em conta o impacto e o peso de seu antônimo, ‘sim’, no nosso cotidiano. Falar uma simples palavra de 3 letras pode ter significados tão diferentes; conseguimos afirmar, negar, satirizar, debochar, discordar, implicar, implorar e muitas outras coisas ao apenas dizer ‘sim’ com uma entonação diferente da anterior. 

É isso que o indicado à Melhor Curta-Metragem de Animação do Oscar 2021 mostra em seus 8 minutos de tela. Yes-People não tem ‘história’, se não mostrar diferentes pessoas e seus diversos ‘sim’ em suas determinadas situações e contextos. Desde a professora que não quer magoar o aluno que toca mal a flauta até o casal que grita de prazeres na cama; todos os cenários somente são construídos a partir de 1 palavra, 1 frase, 1 diálogo: ‘sim’. 

Continue lendo “Yes-People: como um simples ‘sim’ constrói o ser humano”

O Grande Ivan: qual é o preço da liberdade?

Foto retangular de uma cena do filme O Grande Ivan. Ao centro, tem um filhote de gorila de costas prateadas. Ele é preto, pequeno e peludo. Seu focinho tem o formato de um coração. Ele está levemente de perfil, olhando para sua mão direita com lama. O fundo está borrado, mas trata-se de uma selva.
Disponível no Disney +, O Grande Ivan concorre ao Oscar 2021 na categoria de Melhores Efeitos Visuais, junto com Mulan e Tenet (Foto: Reprodução)

Júlia Paes de Arruda

Filmes com animais falantes podem ter enredos artificiais e forçados, como é O Zelador Animal. Outros conseguem atrair o público genuinamente, tal qual Dr. Dolittle, de forma que não seja necessário um reboot. Mas não é o caso de O Grande Ivan (The One and Only Ivan, no original). Neste novo projeto, a Disney consegue oferecer uma história leve, divertida e descontraída sobre um tema extremamente sensível e alvo de diversas controvérsias: a presença de animais em circos. 

Continue lendo “O Grande Ivan: qual é o preço da liberdade?”

Genius Loci é um pesadelo confuso em uma noite de encontro espiritual

Imagem do filme Genius Loci. Ao centro, o desenho de uma mulher careca, preta e com brincos; ela uma uma regata branca. Ao fundo, é possível ver triângulos recortados em retângulos, formando um caminho.
Presente na categoria de Melhor Curta-Metragem de Animação no Oscar 2021, a alucinação perturbadora de Reine é quase como um sonho agradável para o público (Foto: Reprodução)

Larissa Vieira

Quem nunca teve um sonho confuso, em que formas geométricas, cores e diálogos aleatórios tomam conta de sua noite e fazem você passar o dia, se não a semana, inteiro tentando decifrá-lo? Genius Loci trouxe a vida todos esses sentimentos caóticos durante uma noite na cidade parisiense. O curta-metragem conta a história de Reine, uma jovem francesa, que vive uma viagem metafísica e descobre, em meio ao caos urbano, uma entidade viva que se torna o seu guia espiritual pela noite. 

Continue lendo “Genius Loci é um pesadelo confuso em uma noite de encontro espiritual”

Com sabor de leite com achocolatado, pijaminha e manhã fresca, Shaun, o Carneiro volta para mais uma aventura

Na frente Shaun, uma ovelha magra de pele preta com pelagem branca, segura uma fatia de pizza sorrindo. Atrás está o cão Blitzer, com pelagem amarela e um gorro azul, com cara espantado. Ao fundo está Timmy, uma ovelha bebê igual Shaun, sorrindo e segurando um urso de pelúcia. Todos olham para frente. Estão em uma floresta, iluminada e com muito brilho azul, rosa e roxo.
Shaun, Blitzer, Timmy, Mãe do Timmy e Shirley voltam para a alegria de todos, e trazem consigo uma indicação de Melhor Animação no Oscar 2021 (Foto: Reprodução)

Pedro Gabriel

Um dos motivos para eu acordar cedo quando tinha meus nove anos era sentar na sala, ligar na Cultura, e assistir a todos os desenhos que passavam no Quintal da Cultura. A manhã era recheada de Doug (1991-1999), Madeline (1993-2001), Cocoricó (1996-atualmente no YouTube), Os Sete Monstrinhos (2000-2003) e por uma pequena ovelha aventureira chamada Shaun, o Carneiro (2007-presente). Dez anos se passaram, e cá estou eu revivendo todas essas manhãs após assistir Shaun, o Carneiro, o Filme: A Fazenda Contra-Ataca na Netflix. A animação é uma continuação do longa de 2016 e traz Shaun em uma nova aventura. 

Continue lendo “Com sabor de leite com achocolatado, pijaminha e manhã fresca, Shaun, o Carneiro volta para mais uma aventura”

Toca passa mensagem sobre isolamento em meio à história de livros infantis

Imagem do filme Toca. Na imagem uma coelhinha bege segura uma pá cinza com um cabo de madeira. Ao seu lado direito ela tem um lampião e ao fundo é possível ver o caminho de terra cavado por ela.
Indicado ao Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação, Toca (Burrow) é uma história de dormir para crianças (Foto: Reprodução)

Larissa Vieira

Toca (Burrow) é mais uma das produções SparkShorts do Disney+, a série de curtas-metragens de animação independentes, criada por funcionários temporários dos estúdios Pixar. A produção conta a história de uma aventureira coelhinha que procura cavar a toca ideal para ela morar, porém, ao se deparar com vizinhos, ela decide ir explorando cada vez mais a fundo até que se mete em problemas e tem que recorrer a pedir ajuda à quem ela estava fugindo. 

Continue lendo “Toca passa mensagem sobre isolamento em meio à história de livros infantis”

A Caminho da Lua viaja de maneira leve e brilhante por todas as fases do luto

Imagem do filme A Caminho da Lua. No centro da imagem há a personagem principal, Fei Fei vestindo uma jaqueta prata, shorts azuis, uma legging preta e botas pratas; seu cabelo é curto e preto e usa uma faixa rosa. Ela segura em seu braço direito seu coelho de estimação branco, Pulinho. Ao seu lado esquerdo está Gobi, uma criatura verde neon que vive na lua e do lado esquerdo seu irmão, Chin, que usa um moletom azul, camiseta vermelha, shorts azuis e tênis vermelhos. No seu ombro está seu sapo de estimação, da cor verde. Ao fundo é possível ver a imagem da lua, os dragões amarelos e vermelhos que vivem ali e seus lugares coloridos em cores neon.
Indicado ao Oscar 2021 de Melhor Animação, A Caminho da Lua passa mensagem aos adultos enquanto diverte as crianças (Foto: Reprodução)

Larissa Vieira 

A Netflix entrou para a lista de animações para o público infantil com mensagens reflexivas para o público adulto. A Caminho da Lua (Over the Moon) chega para encantar as crianças com luzes, personagens engraçados e um enredo divertido enquanto leva os telespectadores mais velhos a um mundo de reflexão. Lançado em outubro de 2020, a animação musical acompanha a trajetória de Fei Fei, uma criança chinesa que sofre com a perda da mãe. Anos mais tarde, quando seu pai, Ba Ba, decide começar uma nova família, a agora pré-adolescente aflige-se com esse novo cenário e decide recorrer até a deusa da Lua, Chang’e.  

Continue lendo “A Caminho da Lua viaja de maneira leve e brilhante por todas as fases do luto”

Raya e o Último Dragão é o “como treinar o seu humano” que precisávamos

Cena do filme Raya e o Último Dragão com a personagem principal, Raya, no centro da imagem e de costas para a tela, veste uma capa vermelha e chapéu. Ela está segurando uma espada e apoiando-a em seu ombro. Ao seu lado esquerdo encontra-se Tuk Tuk, animal parte tatu, parte urso que é parceiro de Raya.
“Nós temos uma escolha; Construir ou destruir; Ou lutar para nos unirmos; O amor é uma ponte e a confiança é um presente; Nós a damos e ela fica melhor” – Jhené Aiko, Lead the Way (Foto: Reprodução)

Anna Clara Leandro Candido

Não, a Disney não comprou os direitos de Avatar e fez um filme da Korra. Mesmo compartilhando muitas características com a personagem da Nickelodeon, Raya é, na verdade, a protagonista do mais novo filme da Disney+. Lançado simultaneamente nos cinemas e na plataforma de streaming no dia 05 de março, o filme já conquistou o coração de muitos fãs e boas críticas. Raya e o Último Dragão traz novos horizontes para o conceito de histórias de princesas que tanto conhecemos, assim como dá um show de representatividade e animação.

Continue lendo “Raya e o Último Dragão é o “como treinar o seu humano” que precisávamos”

Wolfwalkers é mais do que só um filme de fantasia para crianças

Cena do filme Wolfwalkers. Em meio a uma floresta, ao centro, vemos Mebh, uma menina baixa, branca, de cabelos ruivos volumosos e decorados com folhas coloridas, vestindo roupas verdes e de braços cruzados, encarando Robyn. Ao seu lado, vemos Robyn, uma menina alta, branca, de cabelos loiros compridos, presos em uma trança e decorados com uma flor vermelha, vestindo roupas verdes, uma capa preta e botas marrons, com as mãos na cintura. Entre as árvores ao redor delas, vemos, do pescoço para cima, lobos marrons as encarando e sorrindo.
Indicado ao Oscar 2021, Wolfwalkers é fruto da parceria do estúdio irlandês Cartoon Saloon com a Apple TV+, streaming onde foi lançado um mês após a estreia (Foto: Reprodução)

Vitória Lopes Gomez

Nunca esteve tão claro que filmes de animação não são sinônimos de infantilidade. Soul talvez seja o exemplo mais popular e atual disso: o visual é apenas a técnica escolhida para um filme que explora o metafísico e desperta o existencial. Um pouco mais fantasioso, um pouco menos alegórico (ou vice-versa), da Pixar aos Estúdios Ghibli às irreverentes séries americanas, os ‘desenhos’ comportam uma multiplicidade que alcança diferentes faixas etárias. E é em meio a diversidade de narrativas e a crescente predileção por computações gráficas que chega Wolfwalkers, que se destaca pelo visual 2D cada vez mais raro e, desde o seu lançamento no Festival de Cinema de Toronto, aproveita a atenção para encantar todos os públicos.

Continue lendo “Wolfwalkers é mais do que só um filme de fantasia para crianças”