5 anos de Dua Lipa: com quanta ousadia se faz Música pop?

A imagem mostra a cantora Dua Lipa, uma mulher branca e jovem. Seus cabelos longos e castanhos estão soltos e molhados. Ela usa batom rosa suave nos lábios e veste uma jaqueta preta, estampada com escamas e de colarinho recortado. A mão esquerda de Dua segura a parte frontal da roupa, enquanto seu braço direito se apoia inteiramente em seu queixo. Ela olha fixamente para o foco da fotografia. No canto inferior central da imagem, está escrito “DUA LIPA” com letras vazadas e de cor branca. Ao fundo, um degradê que varia entre roxo e azul.
Terceiro álbum mais transmitido da história do Spotify, o debut da britânica é o primeiro trabalho de uma artista feminina a contabilizar 9 bilhões de streams (Foto: Warner Bros. Records/Rankin)

Vitória Vulcano

O ano de 2017 foi marcado pelo início da mais recente reviravolta a atingir o berço de Lady Gaga em cheio. Dialogando com uma crise de identidade, ou surfando na onda de reinvenções prostradas, o gênero que aprendeu a fazer história dominando o topo das paradas vivia uma representação insossa, desmedidamente guiada pelo instantâneo e fragilmente centrada no sucesso de personalidades masculinas. Então, quando o rap assumidamente superou o pop, todos sabiam que não era questão de longevidade; mas, sim, de poder popular.

Manifestada como frescor musical, Dua Lipa foi um dos dezenas de nomes designados para aguar o tal deserto criativo. Os primeiros singles da inglesa já agitavam as rádios europeias um ano antes, investindo em experimentações que uniam metáfora à melodia. Só que mudar – ainda que minimamente – as rédeas da derrocada do ritmo chiclete exigia se colocar para jogo além do compromisso de nivelar sua estreia na indústria sonora. A típica exploração visual e lírica do pertencimento, responsável por estruturar personas novatas nos acordes, dependia da precisão tomada no processo. Curiosamente, entre formas e testemunhas, a caloura Lipa decidiu pela coragem de se autointitular a nova via do pop.

Continue lendo “5 anos de Dua Lipa: com quanta ousadia se faz Música pop?”

Nós comeremos bolo em frente ao mar para comemorar os 5 anos de DNCE

Capa do álbum DNCE. Os integrantes estão em uma sala amadeirada, com uma lareira antiga em cinza e tapete claro. Joe está mais próximo da câmera, sentado numa poltrona marrom com um acolchoado verde claro. Ele é branco, de cabelos curtos pretos com barba e bigode curtos. Ele veste uma camisa de manga longa e uma calça preta e está descalço, sentado com a perna esquerda cruzada. Ele segura uma xícara com pires brancos e está olhando para a câmera. Ao seu lado, está uma mesa pequena, redonda e alta com um prato com frutas. Em sua frente, está uma mesa de centro branca pequena, com alguns pratos com comida. Apoiada na lareira, está JinJoo Lee, mulher sul-coreana de cabelos pretos e rosas pretos em um coque. Ela veste um body preto sensual e botas pretas até metade da coxa. Seus pés estão apoiados numa pequena escada de madeira. Junto à lareira, estão três porta retratos pequenos e um quadrado grande de uma pintura antiga, com DNCE escrita em tinta verde fluorescente. Na ponta esquerda da lareira, há ainda um castiçal com 5 velas acesas. Atrás de JinJoo, está uma mulher mais velha, com roupas de faxineira pretas e brancas, limpando uma estante alta de livros. A mulher é branca, com a mão esquerda segura um espanador limpando uma prateleira e a mão direita está apoiada na cintura. Ela olha com indignação para JinJoo. Ao lado de JinJoo, mais abaixo, está Cole Whittle, sentado numa poltrona marrom com um acolchoado verde claro. Ele é branco e grita eufórico com um livro laranja aberto na mão direita. Ele veste uma camisa aberta preta estampada, meias azuis escuras até a canela com três listras vermelhas e uma bota preta. Ele está com a perna direita cruzada sob a outra. Apoiado na cadeira de Cole, está Jack Lawless. Ele é branco, de cabelos castanhos claros compridos até o ombro. Ele veste uma camisa preta com detalhes em branco e uma calça preta. Ele segura uma xícara branca com a mão direita e sua perna direita está levemente dobrada. Ao seu lado, está uma mesa pequena e baixa, com um telefone antigo e um vaso com flor vermelha.
“Coloque seus pés acima das mãos e D-N-C-E” (Foto: Republic Records)

Júlia Paes de Arruda

Depois de um impetuoso começo na carreira solo, Joe Jonas decidiu tentar outra forma de permanecer nos holofotes da Música. Com o término dos Jonas Brothers ainda recente, ele se uniu com seu amigo de longa data Jack Lawless para formar o DNCE, junto com a guitarrista JinJoo Lee e o tecladista Cole Whittle. Ainda que seu primeiro lançamento tenha sido uma incógnita, somente em 2016 que o quarteto sentiu seu deleite com a chegada de um álbum autointitulado. 

Continue lendo “Nós comeremos bolo em frente ao mar para comemorar os 5 anos de DNCE”

Enquanto eu não te encontro: uma narrativa de acaso com o amor e encontro com a representatividade

Fotografia da capa e contracapa do livro Enquanto eu não te encontro, fundo roxo e amarelo com nuvens, título do livro e um desenho de um casal com braços abertos na capa, e na contracapa desenho de personagens na boate.
A capa e contracapa do livro contam com ilustrações dos ambientes e personagens que fazem parte da história, e também exalta pessoas nordestinas, já que foi ilustrada por Renata Nolasco, uma artista LGBT e potiguar (Foto: Editora Seguinte)

Monique Marquesini 

Uma mudança para a cidade grande, encontros e desencontros, cultura nordestina, amizades, música pop, autoconhecimento e protagonistas LGBTQIA+: essas são algumas características do livro de estreia de Pedro Rhuas. Lançado em julho de 2021 pela Editora Seguinte, o título curioso Enquanto eu não te encontro guarda a simplicidade de um romance adolescente junto da amplitude de novas descobertas para um garoto gay, nordestino e calouro na universidade.

Continue lendo “Enquanto eu não te encontro: uma narrativa de acaso com o amor e encontro com a representatividade”