Êxtase dissolve os limites

Depois de celebrar sua indicação ao Oscar, a roteirista de Democracia em Vertigem estreia na direção documentando sua experiência com a anorexia na 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo (Foto: Reprodução)

Raquel Dutra

É sempre surpreendente como algo profundamente pessoal pode ressoar de maneira tão universal. Fenômeno que é objeto de estudos das ciências humanas é também matéria-prima da arte, especialmente na que surge das mentes e mãos de uma nova geração de documentaristas brasileiras. Depois de explorar esse aspecto em produções como Elena, agora eu falo de Êxtase, documentário que participa da 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo marcando a estreia de Moara Passoni – também roteirista do anteriormente citado – na direção. A partir das vivências da própria com a anorexia, o filme estabelece uma narrativa que em nada compreende as estruturas clássicas do cinema para nos conectar com outras realidades e mostrar que, mesmo com as nossas individualidades, muitas das nossas angústias podem ser similares e mesmo com manifestações diferentes, podem carregar a mesma origem.

Continue lendo “Êxtase dissolve os limites”

A Morte do Cinema e do Meu Pai Também: o cinema não morreu

O segundo longa do diretor israelense Dani Rosenberg faz parte da Seleção Oficial do Festival de Cannes (Foto: Reprodução)

João Batista Signorelli 

É no mínimo curioso o fato de um filme com este título venha a ser lançado justamente no ano de 2020, onde redes de cinema caminham para a falência e as salas oscilam entre uma capacidade limitadíssima de espectadores e o fechamento total. E se A Morte do Cinema e do Meu Pai Também poderia estar anunciando nos festivais de cinema online como a 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo que essa forma de arte do modo que conhecemos está com seus dias contados, no fim ele acaba fazendo justamente o contrário. A Morte do Cinema e do Meu Pai Também revigora a arte cinematográfica não apenas por suas reflexões pertinentes a respeito do próprio ato de fazer um filme, mas também por ser tão assertivo em encontrar o universal a partir de um lugar tão íntimo e pessoal. 

Continue lendo “A Morte do Cinema e do Meu Pai Também: o cinema não morreu”

Os Nomes das Flores vai te lembrar da sua avó

Los Nombres de Las Flores, no título original, integra a 44ª Mostra de SP (Foto: Divulgação Imprensa)

Vitor Evangelista

O longa de estreia de Bahman Tavoosi não poderia ser mais sensível. Celebrando tanto os 50 anos da morte de Che Guevara quanto a vida e o legado da professora Julia (Barbara Flores), o filme funciona como uma homenagem às memórias de ontem. Os Nomes das Flores é parte da Competição Novos Diretores da 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.

Continue lendo “Os Nomes das Flores vai te lembrar da sua avó”

O Problema de Nascer: quem não tem medo do futuro?

O longa faz parte da categoria Novos Diretores na 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo (Foto: Divulgação Imprensa)

Jho Brunhara

O trailer de O Problema de Nascer coleciona no YouTube uma proporção de 70% de deslikes em comparação aos likes. Sua página no IMDB recebeu uma votação em massa de avaliações negativas de 1 estrela. Afinal, de onde vem esse ódio que o filme encontrou no público? O longa austro-alemão, que faz parte da 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, é extremamente ambicioso. Pelos motivos errados. 

Continue lendo “O Problema de Nascer: quem não tem medo do futuro?”

Suor: a solidão é universal

Cortei o cabelo, gostaram? (Foto: Divulgação Imprensa)

Vitor Evangelista

Como é bom encontrar narrativas que fogem do senso comum em discussões quase que banalizadas pela modernidade. Suor, segundo filme do sueco Magnus von Horn, desvia de todos os clichês da vida dos influenciadores digitais, entregando um relato bruto e honesto sobre a frieza e o desalento da Sylwia, uma blogueira fitness do Instagram. O longa foi exibido na Competição Novos Diretores, da 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.

Continue lendo “Suor: a solidão é universal”

Mamãe, Mamãe, Mamãe é uma memória agridoce

O filme faz parte da Competição Novos Diretores da 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo (Foto: Divulgação Imprensa)

Jho Brunhara

A infância é uma das fases mais misteriosas da vida. A formação da personalidade enquanto a inocência guia as descobertas do que o mundo é feito; a insegurança diante de um mundo tão grande; o filtro moral ainda tão recente e frágil. Mamãe, Mamãe, Mamãe, longa argentino da 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, é uma captura muito preciosa desse universo do que é ser uma criança, em contraponto com um trauma tão severo como a morte. 

Continue lendo “Mamãe, Mamãe, Mamãe é uma memória agridoce”

La Francisca, Uma Juventude Chilena e as variáveis do silêncio

Numa colaboração entre Chile, França e Bélgica, o filme traz silêncios cinzentos e jovens latino-americanos vibrantes para colocar pedofilia em foco na Competição Novos Diretores da 44ª Mostra de SP (Foto: Reprodução)

Raquel Dutra

Existe um problema sério em retratar atos desumanos explicitamente no cinema. Abordagens nessa direção revelam um caráter tão repugnante (que de fato, tais atos possuem) que a nossa resposta diante deles, na maior parte das vezes, é o distanciamento. Repelimos aquelas atrocidades da nossa realidade e esquecemos o local e a forma exata onde/como elas se concretizam, que infelizmente, é no ordinário. E quem concebeu La Francisca, Uma Juventude Chilena parece estar ciente disso. A coprodução francesa-chilena-belga é parte da seção Novos Diretores da 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e usa um cenário comum para sussurrar observações necessária sobre pedofilia.

Continue lendo “La Francisca, Uma Juventude Chilena e as variáveis do silêncio”

Meu Coração Só Irá Bater Se Você Pedir é um título imenso para um filme maior ainda

O filme de vampirismo millennial faz parte da Competição Novos Diretores da 44ª Mostra de SP (Foto: Reprodução)

Vitor Evangelista

Quando fez história no Emmy 2020, uma emocionada Zendaya foi enfática na mensagem que queria passar: tenham fé na juventude. E é por causa de filmes como Meu Coração Só Irá Bater Se Você Pedir que podemos afirmar a veracidade e relevância do discurso da atriz de Euphoria. Jonathan Cuartas, o diretor e roteirista desse drama de sangue, se formou na faculdade de cinema em 2016, e depois de realizar alguns curtas, trouxe à 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo sua estreia no formato de longa metragem e, meu amigo, que estreia!

Continue lendo “Meu Coração Só Irá Bater Se Você Pedir é um título imenso para um filme maior ainda”

Caminhando Contra o Vento é como a nossa juventude vive a vida

A ficção chinesa é parte da seleção da 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e baseia-se na história do próprio diretor e roteirista (Foto: Reprodução)

Raquel Dutra

É impossível ler o título desse filme sem cantá-lo no ritmo de Alegria, Alegria. Quem traduziu o nome da produção chinesa para o português brasileiro com certeza se ligou na semelhança enorme que o enredo de Caminhando Contra o Vento (Ye Ma Fen Zong, no original) tem com o sucesso da MPB. O filme, que integra a Competição Novos Diretores da 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, se fundamenta num protagonista perdido na vida, divertidamente irresponsável que só quer aproveitar sua juventude e liberdade, assim como o eu-lírico da canção.

Continue lendo “Caminhando Contra o Vento é como a nossa juventude vive a vida”

Sem Ressentimentos: a liberdade só existe quando é para todos

O primeiro longa do diretor Faraz Shariat faz parte da 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo (Foto: Divulgação Imprensa)

Jho Brunhara

É difícil diretores jovens escaparem de realizar pelo menos um projeto do gênero coming-of-age, o famoso longa de amadurecimento, e Faraz Shariat não foge à regra. O diretor de 26 anos traz para Sem Ressentimentos uma semi-biografia, mas também questões muito maiores sobre a configuração política do mundo que conhecemos. O longa alemão, selecionado para a 44ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, faz parte da Competição Novos Diretores. 

A história de Futur Drei, título no idioma original, segue o jovem gay Parvis Joon (Benjamin Radjaipour), filho de iranianos que moram na Alemanha há alguns anos. Após um pequeno crime, o garoto precisa prestar serviço comunitário em um centro de refugiados na Saxônia, e é lá onde conhece Amon (Eidin Jalali), que fugiu do Irã junto de sua irmã, Banafshe (Banafshe Hourmazdi). 

Continue lendo “Sem Ressentimentos: a liberdade só existe quando é para todos”