Girls5eva: nem todo mundo pode surfar na onda dos comebacks

Cena da série Girls5eva. Ambiente interno com iluminação artificial onde quatro personagens estão centralizadas olhando para a frente com expressões de espanto. Summer é uma mulher de cabelos loiros longos, ondulados e soltos. Ela está de mãos dadas com Wickie, uma mulher negra de cabelos pretos e cacheados, presos em um rabo de cavalo alto, ela está com a mão repousada no ombro esquerdo de Dawn. Dawn é uma mulher branca de cabelos castanhos na altura dos ombros, ela está usando um boné para trás na cor roxa e ao seu lado esquerdo está Glória, uma mulher de meia idade, branca de cabelos brancos e lisos, com a parte de cima presa. No fundo, é possível ver uma sala com um sofá branco, três portas e paredes claras.
Indicado ao Emmy 2021, o retorno menos esperado de todos os tempos: senhoras e senhores, Girls5eva (Foto: Peacock)

Marcela Zogheib

Spice Girls, TLC, Destiny’s Child, o que não faltava nos anos 90 eram girlbands para a gente admirar e sonhar com um reencontro. A série Girls5eva traz essa realidade para o grupo fictício de mesmo nome e conta a história dos dias atuais de quatro mulheres que um dia fizeram muito sucesso com seu grupo musical, mas hoje vivem realidades bem diferentes. 

Continue lendo “Girls5eva: nem todo mundo pode surfar na onda dos comebacks”

Em Marginal Alado, os dias de luta e glória de Chorão ganham um lugar ao Sol

Foto de Chorão. Ele, um homem branco, cruza os braços enquanto exibe as suas tatuagens. Uma delas escreve “marginal alado”, nome do documentário sobre sua vida.
“O fato de eu ter tatuado em mim, no meu braço, “marginal”, não quer dizer que eu sou um marginal que faz várias fitas, que assalta os outros, não. Quer dizer que eu estou à margem de muita coisa que eu acho que é hipócrita, que é mentirosa”, disse Chorão durante um show (Foto: Roberto Selton)

Nathalia Tetzner

“O Chorão era tipo uma carreta, com um monte de problema que ele ia carregando, está ligado? De várias pessoas, assim. Nessa carreta, velho, cheia de problema, eu não sei se sobrava espaço para os dele, velho”. A declaração de Glauco Veloso, a quem o músico ajudou a ser liberto da prisão, resume a narrativa sobre os dias de luta e glória do vocalista da banda Charlie Brown Jr., presente no documentário Chorão: Marginal Alado. Esse tipo de apelo emocional faz o espectador desconsiderar os defeitos técnicos da direção de Felipe Novaes, que acabou se perdendo na riqueza dos arquivos pessoais disponibilizados pela equipe de Alexandre Magno Abrão.

Continue lendo “Em Marginal Alado, os dias de luta e glória de Chorão ganham um lugar ao Sol”

10 anos de I’m with You: o álbum do Red Hot sem o Chili Peppers

Capa do CD I'm with You. Fotografia quadrada com o fundo cinza claro. A esquerda inferior está uma pílula de remédio rosa e branca. Na parte branca da pílula tem uma mosca pousada. Na parte rosa da pílula está escrito I'm With You. Na parte superior pode-se ler “Red Hot Chili Peppers” na cor branca.
I’m with You, lançado em 2011, é o primeiro álbum com o guitarrista Josh Klinghoffer após a saída de John Frusciante (Foto: Warner Bros Records)

Leticia Stradiotto 

E agora, será que John Frusciante vai voltar assim como na primeira vez? Esse era o questionamento dos ouvintes de Red Hot Chili Peppers após a segunda saída do tão querido guitarrista em 2009. No entanto, a resposta para tal pergunta é simples: não. John Frusciante não voltou e, agora, depois do grandioso Stadium Arcadium (2006), temos um novo álbum: I’m with You. Sem Frusciante, mas com o fofíssimo Josh Klinghoffer. A expectativa era grande, e apontar o dedo para a nova performance da banda é inevitável.

Continue lendo “10 anos de I’m with You: o álbum do Red Hot sem o Chili Peppers”

30 anos de Ten: a estreia transgressora do Pearl Jam

Capa do álbum Ten. Na foto, os cinco integrantes levantam um dos braços e permitem que as mãos se encontrem. Uma delas, a que está mais alta que as demais, está com o dedo indicador apontado para cima. Só é possível ver o braço dos integrantes na foto. O fundo da foto é rosa, e acima está escrito Pearl Jam com letras de fonte branca.
Ten, álbum de estreia do Pearl Jam, é um dos grandes marcos do movimento grunge, e completa 30 anos hoje, dia 27 de agosto (Foto: Sony Music Entertainment)

Bruno Andrade

Desde o assassinato de John Lennon, nos anos 80, não se lidava, na cultura pop, com uma representação tão intensa do fim de uma época. A invasão grunge de Seattle tomou forma como movimento revolucionário à medida que as letras, melodias pesadas e o estilo de vida sem regras — flertando com o punk e o heavy metal — se confundiam em meio às camisas xadrezes e calças rasgadas. O início dos anos 90 prometia não somente trazer o futurismo, mas também ser carregado de uma aura melancólica difícil de assimilar. O sucesso teve seu contexto alterado drasticamente pela indústria cultural, e, em meio ao choque geracional, o Pearl Jam surgiu com Ten, álbum que marcou o grunge e que completa trinta anos em 27 de agosto. 

Continue lendo “30 anos de Ten: a estreia transgressora do Pearl Jam”

10 anos de Regional at Best: o sonho começa aqui

A imagem é a foto da capa do disco Regional at Best, da banda Twenty One Pilots. Nela, há uma fotografia de crianças jogando beisebol em um campo. A esquerda, há um menino posicionado com as pernas abertas, em posição para lançar a bola. Ele veste uma camiseta azul, uma calça branca, tênis pretos e um capacete. Ao fundo é possível ver outras crianças no campo com esse mesmo uniforme, alternando a cor da camiseta entre azul e vermelho. Na parte do superior da foto, há uma faixa branca escrita TWENTY ONE PILOTS diversas vezes embaralhadas em fonte preta. No canto inferior direito da faixa, está escrito Regional at Best em vermelho.
O aniversário do disco também marca o início da parceria entre Tyler Joseph e Josh Dun (Foto: Fueled by Ramen)

Vitória Silva

No dia 8 de julho de 2011, chegava ao mundo o álbum Regional at Best, do duo Twenty One Pilots. Considerado também o primeiro trabalho da banda, pelo menos na formação que conhecemos hoje, com Tyler Joseph e Josh Dun. O disco lançado anteriormente, em 2009, que carrega o mesmo nome do grupo, ainda tinha Chris Salih como baterista e Nick Thomas no baixo. A entrada de Josh assumindo as baquetas se deu quase que juntamente à saída do baixista, iniciando, assim, a dupla imbatível entre ele e Tyler. 

Continue lendo “10 anos de Regional at Best: o sonho começa aqui”

Sem Carnaval, Bloco do Eu Sozinho completa 20 anos

Capa do disco Bloco do Eu Sozinho. Há uma borda cinza. Dentro do borda o fundo é ocre, como folha de papel reciclado. Na parte superior lê-se LOS HERMANOS em azul. No centro há o desenho de um boneco. Os cabelo, os olhos e a camiseta são verdes, a calça é azul escuro, os sapatos são violetas e há uma sombra azul clara. À esquerda lê-se em preto BLOCO SOZINHO. À esquerda lê-se em preto DO EU.
É com o amor e a alegria, de quem tem o coração como guia, que este bloco se anuncia (Foto: Zoy Anastassakis e Ludmila Ayres)

Ana Júlia Trevisan

Como continuar a carreira após um hit? Como produzir o segundo álbum quando o   primeiro conta com a música que estourou nas rádios e marcou toda a trajetória da discografia? Era nesse embate que os Los Hermanos se encontravam após seu disco de estreia ter emplacado Anna Júlia, a famigerada fim de festa que tirou o Grammy de Chico Buarque e, até hoje, é responsável por registros em cartório (vide a pessoa que vos escreve).

É em meio às brigas da banda, confusão com a gravadora e uma aliança fiel com fãs que, em 2001, nasce Bloco do Eu Sozinho, reforçando ainda mais a parceria musical entre Marcelo Camelo e Rodrigo Amarante, e marcando toda a escola de MPB unida ao rock alternativo construída pelos cariocas. Quebrando os próprios padrões, um dos discos mais importantes da música nacional alternativa foi criado e dita até hoje o rumo do gênero, servindo como fonte, direta ou indiretamente, dos trabalhos nacionais que o sucedem. 

Continue lendo “Sem Carnaval, Bloco do Eu Sozinho completa 20 anos”

Manchaca Vol. 1: quando a música transcende o som de uma memória

Capa do álbum (Foto: Reprodução)

Henrique Gomes

Desde sua criação, o Boogarins permanece inquieto, nunca estagnado. A banda goiana imprime, em cada movimento que faz, um recorte da essência que compõe os corpos de seus integrantes. Mesmo que comparada com nomes como Tame Impala e Unknown Mortal Orchestra, eles sabem que vão muito além da neo-psicodelia. É uma espécie de música transcendental, algo desconexo e intenso, mas puramente honesto. Isso é visto em seus shows, onde faixas de três minutos viram grandes sessões de dez minutos e toda a energia que ali habita explode na catarse das improvisações, como em Desvio Onírico (2018), EP ao vivo do grupo. Os LP’s passam a ser carcaças completamente diferentes entre si, porém que carregam a mesma mística única das texturas e camadas sonoras da alma dos membros. O que prevalece é a beleza da primeira ideia, nua, crua e imperfeita por  definição, como visto nos ruidosos sucessos Lucifernandis e Foimal.

Manchaca Vol. 1 (A Compilation Of Boogarins Memories Dreams Demos And Outtakes From Austin, Tx) nasce da tentativa de manter todo esse movimento em tempos de quarentena. Se nos shows eles expandem o som em níveis espirituais, nos discos eles se concentram e o manipulam em colagens e rasgos sônicos para dizer exatamente do que se trata o tal do Boogarins. Sendo assim, é óbvio que existam milhares de experimentos durante as gravações. E, como o próprio nome diz, o álbum é a compilação de tudo que se originou do período de maior efervescência criativa da banda, nas gravações do Lá Vem A Morte (2017) e Sombrou Dúvida (2019), e serviu como demo ou ficou guardado no baú.

Continue lendo “Manchaca Vol. 1: quando a música transcende o som de uma memória”