Girls5eva: nem todo mundo pode surfar na onda dos comebacks

Cena da série Girls5eva. Ambiente interno com iluminação artificial onde quatro personagens estão centralizadas olhando para a frente com expressões de espanto. Summer é uma mulher de cabelos loiros longos, ondulados e soltos. Ela está de mãos dadas com Wickie, uma mulher negra de cabelos pretos e cacheados, presos em um rabo de cavalo alto, ela está com a mão repousada no ombro esquerdo de Dawn. Dawn é uma mulher branca de cabelos castanhos na altura dos ombros, ela está usando um boné para trás na cor roxa e ao seu lado esquerdo está Glória, uma mulher de meia idade, branca de cabelos brancos e lisos, com a parte de cima presa. No fundo, é possível ver uma sala com um sofá branco, três portas e paredes claras.
Indicado ao Emmy 2021, o retorno menos esperado de todos os tempos: senhoras e senhores, Girls5eva (Foto: Peacock)

Marcela Zogheib

Spice Girls, TLC, Destiny’s Child, o que não faltava nos anos 90 eram girlbands para a gente admirar e sonhar com um reencontro. A série Girls5eva traz essa realidade para o grupo fictício de mesmo nome e conta a história dos dias atuais de quatro mulheres que um dia fizeram muito sucesso com seu grupo musical, mas hoje vivem realidades bem diferentes. 

Continue lendo “Girls5eva: nem todo mundo pode surfar na onda dos comebacks”

Não há montanha alta o suficiente para a grandeza de Pose

O final de Pose foi dividido em duas partes e a Series Finale foi indicada em Roteiro e Direção em Drama no Emmy 2021, além de outras categorias técnicas da premiação (Foto: FX)

Nathália Mendes

Live. Werk. Pose. Essas três palavras falam por si só. Sozinhas elas ganham vida, invadem os ouvidos na voz inesquecível de Pray Tell, se entranham no coração e acendem uma luz que ilumina e aquece cada parte do corpo, dos fios de cabelo aos dedões do pé. Nada mais é capaz de explicar uma série como Pose, porque ela não foi feita para ser descrita, mas para ser sentida. 

Coube à Blanca Evangelista (Mj Rodríguez) e sua família performar uma história real e sofrida de forma belíssima por 3 temporadas – uma década no tempo da trama. Até seu último episódio, a narrativa manteve o equilíbrio entre a tragédia da epidemia de AIDS dos anos 90, e o relato mais puro e belo da comunidade queer dentro dos ballrooms de Nova York. Assim, Pose contou a história da vida de pessoas que a sociedade não quer enxergar, de seus amores à suas dores, e por isso é tão forte e arrebatadora.

Continue lendo “Não há montanha alta o suficiente para a grandeza de Pose”

30 anos de Ten: a estreia transgressora do Pearl Jam

Capa do álbum Ten. Na foto, os cinco integrantes levantam um dos braços e permitem que as mãos se encontrem. Uma delas, a que está mais alta que as demais, está com o dedo indicador apontado para cima. Só é possível ver o braço dos integrantes na foto. O fundo da foto é rosa, e acima está escrito Pearl Jam com letras de fonte branca.
Ten, álbum de estreia do Pearl Jam, é um dos grandes marcos do movimento grunge, e completa 30 anos hoje, dia 27 de agosto (Foto: Sony Music Entertainment)

Bruno Andrade

Desde o assassinato de John Lennon, nos anos 80, não se lidava, na cultura pop, com uma representação tão intensa do fim de uma época. A invasão grunge de Seattle tomou forma como movimento revolucionário à medida que as letras, melodias pesadas e o estilo de vida sem regras — flertando com o punk e o heavy metal — se confundiam em meio às camisas xadrezes e calças rasgadas. O início dos anos 90 prometia não somente trazer o futurismo, mas também ser carregado de uma aura melancólica difícil de assimilar. O sucesso teve seu contexto alterado drasticamente pela indústria cultural, e, em meio ao choque geracional, o Pearl Jam surgiu com Ten, álbum que marcou o grunge e que completa trinta anos em 27 de agosto. 

Continue lendo “30 anos de Ten: a estreia transgressora do Pearl Jam”

I’ve been a bad, bad girl: 25 anos da genialidade traumática de Fiona Apple em Tidal

Capa do álbum Tidal de Fiona Apple. Na imagem, apenas seu rosto aparece com muito zoom. Fiona é uma mulher branca de olhos azuis.
Em julho, Tidal comemora 25 anos (Foto: Columbia Records)

Laís David

Quando Fiona Apple subiu no palco do Video Music Awards para aceitar o prêmio de Melhor Nova Artista, em 1997, ela não tinha noção do impacto cultural de seu discurso. Se baseando na sua inspiração de infância, Maya Angelou, ela utilizou seu ínfimo espaço na premiação para professar uma queixa contra a indústria da música. “Esse mundo é uma porcaria. Você não deveria modelar a sua vida em torno do que você acha que nós achamos que é legal”. Mais de duas décadas depois do lançamento do álbum premiado naquela noite, Fiona Apple ainda nada contra a corrente com destreza.

Continue lendo “I’ve been a bad, bad girl: 25 anos da genialidade traumática de Fiona Apple em Tidal”