Back To Black: 10 anos sem Amy Winehouse

O dia 23 de julho de 2021 marca uma década da morte de Amy Winehouse (Foto: Reprodução)

Ana Júlia Trevisan e Raquel Dutra

Nós apenas nos despedimos com palavras, quando naquela tarde de 23 de julho de 2011, o mundo soube da morte de Amy Winehouse. A vida de uma das maiores vozes do jazz contemporâneo foi uma das mais difíceis dentre as existências artísticas que o mundo teve a dor e a delícia de acompanhar, chegando ao limite extremo da luta pela sobrevivência em meio ao vício em drogas, transtornos alimentares e doenças psicológicas. O fim veio triste, com aquele gosto amargo de algo que consome cada vestígio de vida e genialidade até não sobrar mais nada, por meio de uma overdose na cidade de Camden, em Londres, quando a jovem artista tinha apenas 27 anos. 

Continue lendo “Back To Black: 10 anos sem Amy Winehouse”

10 anos depois do fim, Harry Potter envelheceu avinagrado

Entre polêmicas de transfobia e discurso de ódio, J. K. Rowling se revela mais nefasta que as figuras vilanescas que escreveu

Cena do filme Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2. Na cena, vemos Harry, personagem de Daniel Radcliffe, um homem branco que usa óculos redondos, sujo de terra, olhando Voldemort, personagem de Ralph Fiennes, que está de costas. Eles estão à beira de um precipício.
Uma década depois de As Relíquias da Morte – Parte 2, o legado de Harry Potter definhou como as Horcruxes de Voldemort (Foto: Warner Bros)

Vitor Evangelista

Em 15 de julho de 2011, a cultura pop mudou para sempre. Era o fim da saga do bruxinho mais famoso do pedaço, a conclusão épica, que levou uma década desde o primeiro vestígio da magia de Hogwarts até o adeus choroso na Estação King’s Cross. 10 anos depois da exibição de Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2, o mundo não enxerga a aura juvenil da história da mesma maneira que o fazia. E isso se deve a um vilão que os livros de fantasia não deram conta de desmascarar: sua própria autora.

Continue lendo “10 anos depois do fim, Harry Potter envelheceu avinagrado”

10 anos de Regional at Best: o sonho começa aqui

A imagem é a foto da capa do disco Regional at Best, da banda Twenty One Pilots. Nela, há uma fotografia de crianças jogando beisebol em um campo. A esquerda, há um menino posicionado com as pernas abertas, em posição para lançar a bola. Ele veste uma camiseta azul, uma calça branca, tênis pretos e um capacete. Ao fundo é possível ver outras crianças no campo com esse mesmo uniforme, alternando a cor da camiseta entre azul e vermelho. Na parte do superior da foto, há uma faixa branca escrita TWENTY ONE PILOTS diversas vezes embaralhadas em fonte preta. No canto inferior direito da faixa, está escrito Regional at Best em vermelho.
O aniversário do disco também marca o início da parceria entre Tyler Joseph e Josh Dun (Foto: Fueled by Ramen)

Vitória Silva

No dia 8 de julho de 2011, chegava ao mundo o álbum Regional at Best, do duo Twenty One Pilots. Considerado também o primeiro trabalho da banda, pelo menos na formação que conhecemos hoje, com Tyler Joseph e Josh Dun. O disco lançado anteriormente, em 2009, que carrega o mesmo nome do grupo, ainda tinha Chris Salih como baterista e Nick Thomas no baixo. A entrada de Josh assumindo as baquetas se deu quase que juntamente à saída do baixista, iniciando, assim, a dupla imbatível entre ele e Tyler. 

Continue lendo “10 anos de Regional at Best: o sonho começa aqui”

10 anos da promessa de ser Rebelde para sempre

Fotografia dos seis personagens principais de Rebelde, todos com o uniforme do Elite Way, mas cada um com seu estilo. Fundo azul claro. Da esquerda para a direita: Alice, loira de cabelo longo e ondulado, usa um vestido azul marinho com detalhes em tule; Pedro é negro, tcabelo preto liso, usa camisa branca com gravata vermelha e calça azul marinho; Roberta é branca e tem cabelo loiro cacheado, usa o uniforme de forma despojada com pusleira de spikes e camisa xadrez amarrada na cintura; Diego é branco e tem cabelo castanho escuro, usa camisa branca e gravata vermelha perfeitamentte arrumada e calça azul marinho; Carla é morena e tem cabelo longo e ondulado, usa o unifome com com colete e saia azul marinho e botas; para completar, Tomás e branco e tem cabelo castantho levemente ondulado, está com uma regata branca e calças azul marinho, além de uma tbtanttdanta vermelha no pescoço
“Rebelde, chegou a minha vez/O que sou ninguém vai mudar/É sempre assim que deve ser/Meu coração vai ser/Rebelde para sempre” (Foto: Reprodução)

Mauê Salina Duarte

Em 21 de março de 2011, a Rede Record de televisão exibiu o primeiro capítulo da adaptação da tão aclamada Rebelde mexicana, que marcou a vida de muitos e chegou a ter sucesso a nível mundial. Muitos dizem que a versão de Anahí e companhia é insubstituível e que o remake fracassou, porém a adaptação brasileira também teve seu sucesso e merece ser melhor lembrada, mas antes de tudo, é preciso algumas contextualizações. Em 2008 a Record TV e a emissora mexicana Televisa anunciaram a parceria, envolvendo a exibição de tramas produzidas no México, além da regravação dessas tramas com roteiro e atores brasileiros. O primeiro reboot feito pela emissora brasileira foi Bela, a Feia, protagonizado por Giselle Itié e Bruno Ferrari, sendo exibida entre 2009 e 2010. Já o segundo é nosso assunto da vez, a queridinha e polêmica Rebelde, escrita por Margareth Boury e dirigida por Ivan Zettel.

Continue lendo “10 anos da promessa de ser Rebelde para sempre”

Todos mostram ao que vieram: a Tiê, a Coruja e o Coração

Capa ilustrada do álbum A Coruja e o Coração. No lado esquerdo da ilustração, há uma mulher desenhada com traços pretos, sem pintura. Ela possui cabelos na altura dos ombros e franja acima dos olhos, veste uma camiseta onde se lê “A Coruja e o Coração”, e está bebendo em uma caneca com riscos pretos, amarelos, cor de rosa e azul. À sua direita, voam alguns aviões de papel coloridos em azul, vermelho, amarelo e verde. Junto aos aviões, encontra-se o nome da cantora, Tiê. O fundo é branco com poucos riscos pretos horizontais.
Capa do álbum A Coruja e o Coração, assinada pela estilista Rita Wainer (Foto: Reprodução)

Carol Dalla Vecchia

Acompanhar a carreira de Tiê é experienciar uma constante evolução. Desde seu debut em 2009 com Sweet Jardim, ela caminha ao encontro de seu estilo pessoal e sua poesia. Nesse primeiro conjunto de canções, a melancolia fazia cada nota parecer solitária, como se a cantora paulistana não tivesse trabalhado em parceria com Toquinho, Tulipa Ruiz, Thiago Pethit e outros nomes conhecidos da música. Era um álbum para ser ouvido repetidamente, até que o minimalismo de suas composições atingisse a monotonia.

Um ponto de virada nessa jornada, foi o lançamento de A Coruja e o Coração, que está fazendo aniversário de 10 anos. As canções escolhidas nesse registro contrapunham o sentimento lúgubre do primeiro: agora, Tiê parecia mais bem humorada, vivendo novas descobertas e mostrando outras facetas musicais sem perder sua essência. Abrir a seleção com Na varanda da Liz já deixa claro que essa não era uma continuação de Sweet Jardim, era uma nova sensibilidade de uma Tiê mãe, intérprete e compositora.

Continue lendo “Todos mostram ao que vieram: a Tiê, a Coruja e o Coração”

10 anos de 21: nós sempre nos lembraremos de Adele

Capa do álbum 21 da Adele. Ele mostra o rosto da cantora de olhos fechados. Ela tem os cabelos soltos e penteados para trás, pele clara e a mão apoiando a cabeça. A imagem é em preto e branco com o número 21 em verde.
“Você e eu temos uma história/Ou você não lembra?” (Foto: Reprodução)

Ana Laura Ferreira

São poucos os artistas que alcançam um patamar de grandeza tão alto a ponto de se tornarem reconhecidos no mundo todo por seu talento. Mais raro ainda são aqueles que agradam a todos, tamanha sua qualidade, e quase impossível aqueles que atingem tudo isso com uma carreira de apenas dois álbuns. Mas contradizendo as possibilidades, Adele cumpriu esse feito com o marcante, esplendoroso e inconfundível 21 (2011). Chega a faltar palavras para descrever toda a magnitude do disco que consagrou a cantora há 10 anos.

Continue lendo “10 anos de 21: nós sempre nos lembraremos de Adele”