RuPaul’s Drag Race decreta: 13 é número da sorte

Cena da 13ª temporada do reality show RuPaul’s Drag Race. Nela, vemos Symone, drag negra, magra e de peruca preta com adornos de confete dourados, andando com um cetro prateado. Seu vestido segue o mesmo padrão amarelo dos confetes do cabelo
“O nome é Symone e eu estou aqui pelo Trono”; com a vitória da Encantadora do Ébano na 13ª temporada, Drag Race mantém o padrão de coroar queen negras nos EUA (Foto: World of Wonder)

Vitor Evangelista

Ano Novo, Nova Ru. Não contente em apenas estrear a 13ª temporada de RuPaul’s Drag Race junto da virada para 2021, Mama Ru fez a sorte operar à seu favor: com 16 episódios, um especial dos bastidores e mais dublagens do que nunca, o seriado manteve o público vidrado na TV toda sexta-feira, até que, finalmente, Symone da House of Avalon fosse coroada a Nova Super Estrela Drag da América.

Continue lendo “RuPaul’s Drag Race decreta: 13 é número da sorte”

Blecaute! Uma década da ruína pública de Britney Spears

Leandro Gonçalves

Alternativa aos poderosos vocais, de Whitney Houston à Mariah Carey, e às açucaradas boybands e girlgroups vibrantes que dominavam as paradas musicais, Britney Spears surgiu como uma promessa revigorante ao cenário pop no final dos anos noventa. A ambígua imagem feminina da jovem conquistou rapidamente o público, e seu estrondoso sucesso fez com que seu nome fosse comparado, ainda que precocemente, a grandes mulheres da indústria, como Madonna. A figura eloquente que reunia nuances de inocência com características de Lolita encarnava a virtude atrativa do feminino, instrumento lucrativo aos monopólios fonográficos. Continue lendo “Blecaute! Uma década da ruína pública de Britney Spears”