Everyday Life e o novo testamento de Coldplay

Fotografia colorida da banda Coldplay. Os quatro membros da banda estão sentados em cadeiras de madeira lado a lado em cadeiras de madeira segurando seus instrumentos dentro de uma sala. Primeiro, à esquerda, está Will Champion, um homem branco, careca e de barba ruiva, que veste uma camisa branca e um blazer preto. Ele está cantando, de olhos fechados, e tocando o surdo da bateria que tem uma estampa de mapa-mundi. Ao lado dele, está o baixista Guy Berrymen, um homem branco de barba e cabelos curtos castanho escuros. Ele toca seu instrumento, que é alaranjado, e veste uma camisa de manga longa e calças pretas. Ao lado dele, está o vocalista Chris Martin, um homem branco de cabelos loiros e olhos azuis. Ele está cantando, olhando para cima, vestindo um terno preto com uma rosa vermelha no bolso do paletó. Depois dele, no lado direito da imagem, está o guitarrista Johnny Buckland, um homem branco de cabelos ruivos. Ele toca seu instrumento olhando para o lado direito da imagem e veste uma camisa branca e um colete preto. A sala em que a banda está tem paredes cinzas e uma iluminação amarelada atrás deles.
O oitavo disco da banda britânica foi lançado em novembro de 2019 e é um dos indicados a Álbum do Ano no Grammy 2021 (Foto: Reprodução)

Raquel Dutra

É quase impossível pensar em Coldplay sem associar o grupo às suas costumeiras melodias enérgicas, letras imaginativas e canções vívidas encaixadas dentro de um pop eletrônico que colocou arenas inteiras em estado de catarse nos últimos dez anos. Antes de desviar-se por essa direção, a banda fez seu nome com um rock alternativo sentimental, poético e igualmente atraente com seu álbum de estreia em 2000 e através dos outros dois que o seguiram, estourando com algo mais pop em 2008. O que veio depois disso é alvo de opiniões fortes, mas apesar das inconsistências que a arte de uma banda altamente vendável vivencia ao decorrer dos anos e das respostas conflitantes que podem surgir do público e da crítica, o sucesso que o grupo conseguiu construir em suas diferentes identidades é um fato inquestionável.  

Continue lendo “Everyday Life e o novo testamento de Coldplay”

Today is gonna be the day: 25 anos do (What’s the Story) Morning Glory? e o legado do Oasis

A foto icônica da capa foi tirada na rua Berwick, em Londres, famosa pela quantidade de lojas de discos (Foto: Brian Cannon)

Lara Ignezli e Maria Carolina Gonzalez

Se em 1994 o Oasis conquistou o mundo, no ano seguinte o quinteto de Manchester o tinha na palma da mão. Depois de ganharem a atenção do público e da mídia inglesa com o sucesso do álbum de estreia Definitely Maybe, os irmãos Gallaghers e companhia estavam mais que preparados para o perigoso teste do segundo álbum. E o resultado não poderia ser diferente. (What’s the Story) Morning Glory?, lançado no dia 2 de outubro de 1995, é uma das jóias mais preciosas da coroa britânica que ocupa um lugar sagrado juntamente com Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (1967), dos Beatles, e a coletânea Greatest Hits (1981), do Queen, como terceiro álbum mais vendido na história da Inglaterra.

Continue lendo “Today is gonna be the day: 25 anos do (What’s the Story) Morning Glory? e o legado do Oasis”

25 anos de Definitely Maybe e a estreia supersônica do Oasis

(Foto: Reprodução)

Lara Ignezli e Maria Carolina Gonzalez

1994 foi um ano de altos e baixos para a música. O maior baque foi com certeza a morte de Kurt Cobain, no dia 5 de abril, com apenas 27 anos. O líder do Nirvana não tirou apenas a própria vida após apertar o gatilho daquela espingarda, mas levou consigo toda a glória e entusiasmo que o grunge prometia para os anos 90. Mas claro que o show deve continuar. Enquanto a música americana ainda sentia a perda de Cobain, do outro lado do oceano, cinco desgraçados de Manchester berravam que seriam estrelas do rock ‘n’ roll. 

Dizem que tudo tem um lugar certo e uma hora exata, e para o Oasis o melhor momento foi em 29 de agosto de 1994. O álbum de estreia da banda, Definitely Maybe, chegava como um furacão para consagrar Liam e Noel Gallagher – sem exageros – como salvadores do rock. 

Continue lendo “25 anos de Definitely Maybe e a estreia supersônica do Oasis”