Pantera Negra: uma mensagem de diversidade

Em seis dias, o filme já conquistou a quinta maior bilheteria de estreia da história (Reprodução)

Pedro Fonseca E. Silva

Há 10 anos, a Marvel Studios iniciou um projeto ousado que renderia bilhões nas bilheterias mundiais com o filme Homem de Ferro (2008). Desde então, a empresa já conta com mais de uma dezena de filmes sobre super-heróis, conquistando um espaço único para si com sua famosa “Fórmula Marvel”. Enquanto muitos esperam a consagração de toda essa jornada com Vingadores: Guerra Infinita, recebemos um presente antecipado com a estreia de Pantera Negra, que traz consigo um ar revigorante para as adaptações de quadrinhos.

Continue lendo “Pantera Negra: uma mensagem de diversidade”

In The Aeroplane Over the Sea: os fantasmas de Jeff Mangum

Álbum do Neutral Milk Hotel faz 20 anos com fama de clássico cult moderno, adorado principalmente em círculos da internet. Se hoje as piadas e o status de intocável podem afastar pessoas do álbum, é interessante lembrar porque a visão do compositor Jeff Mangum repercutiu em primeiro lugar.

Lucas Marques

No livro de Kim Cooper sobre In The Aeroplane Over the Sea há uma anedota que coloca o disco em uma casca de noz: os membros do Neutral Milk Hotel estavam em uma costumeira visita a um museu de penny-arcade (antigas máquinas de entretenimento, que vão desde os primeiros jogos de pinball até cartomantes e bonecos assustadores de tecnologia analógica), quando o soprista Scott Spillane olha para trás e leva um susto, de gelar a espinha. O motivo da surpresa era uma menina de 10 anos, muito parecida com Anne Frank. Spillane então chama o vocalista e compositor Jeff Mangum e ambos ficam atônitos, perguntando se estavam vendo um fantasma. Continue lendo “In The Aeroplane Over the Sea: os fantasmas de Jeff Mangum”

Vendi minha alma para Kate Bush

Diferentona: a perfomance de Kate Bush foi bastante influenciada por Lindsay Kemp, mímico e dançarino famoso por seus trabalhos com David Bowie (Peter Still/Rolling Stone)

Leonardo Santana Teixeira

De Frank Ocean a Björk, de vez em quando a indústria musical esbarra em um tipo único de artista. É raro, mas acontece. Artistas que navegam perfeitamente entre suas ambições criativas e os desejos do público; que de um jeito ou de outro, conseguem realizar quaisquer que sejam seus experimentos musicais e, ainda assim, manter a atenção da audiência. Continue lendo “Vendi minha alma para Kate Bush”

Earth 2 ainda reverbera com força

Foto promocional do Earth para a gravadora Sub Pop nos primórdios: simpáticos, não? (Reprodução)

n.vvvvv

Como em seus conterrâneos do grunge, a herança do Black Sabbath era escancarada: além dos timbres pesados, o nome Earth foi utilizado pela trupe de Birmingham ainda na década de 60. Já no EP Extra-Capsular Extraction (1991), a banda formada por Dylan Carlson (o melhor amigo de Kurt Cobain) soava como um dos tributos mais radicais aos pioneiros do heavy metal: a cadência dos riffs era ainda mais lenta, com foco pleno em atmosferas nebulosas. Isso foi levado a níveis extremos em Earth 2: Special Low Frequency Version (1993), que acaba de completar 25 anos. Continue lendo “Earth 2 ainda reverbera com força”

O poder cru dos Stooges completa 45 anos

Gabriel Leite Ferreira

Raw Power era o disco favorito de Kurt Cobain. Não à toa: lançado em 1973, o manifesto definitivo dos Stooges pode ser considerado o primeiro álbum punk da história, anos antes das bíblias do gênero. Mas nem isso, nem o axioma recorrente “trilha sonora do fim do mundo” fazem jus a ele. Não totalmente.

Continue lendo “O poder cru dos Stooges completa 45 anos”

Cineclube Persona – Janeiro/2018

What a story, Mark!: Tommy Wiseau no Globo de Ouro, com sua estileira muito mais foda ainda

O primeiro cineclube de 2018 discute títulos premiados no Globo de Ouro e indicados ao Oscar, bem como mostra que há vida pulsante fora de Hollywood. Confere aí:

Continue lendo “Cineclube Persona – Janeiro/2018”

Melhores discos de Janeiro/2018

Alexandre Goulart e Chiquinho, o gato mais estileira do Brasil: a vibe de janeiro (Foto: O Globo)

De modo geral, o mainstream musical foi melancólico em janeiro. Mortes de grandes músicos, polêmicas bobas, álbuns decepcionantes e, claro, a chatice anual do Grammy (tanto a cerimônia como as problematizações posteriores). Felizmente, o underground ofereceu boas pedidas para começar o ano com tudo. Teve de tudo, como você pode conferir abaixo:

Continue lendo “Melhores discos de Janeiro/2018”