Dos 40 anos sem Elis Regina aos 20 anos de carreira de Maria Rita: a potência da herança genética e cultural

Nada é copiado, tudo é herdado 

Durante seus breves 18 anos de carreira, Elis produziu sete álbuns ao vivo e vinte e um em estúdio (Foto: Globo)

Ana Júlia Trevisan

Quero tanta coisa legal, sabe. Que ela ria muito, que ela não fique pesada nunca” desejava Elis Regina à sua filha, Maria Rita. De um lado, a dona dos discos mais importantes do país. Do outro, a brasileira com maior número de Grammys Latino. A progenitora atacada por proteger sua família, a caçula golpeada por uma trupe ignorante que faz o insano questionamento de “como uma filha pode ser tão parecida com a mãe?”. Aqui o intuito não é comparar, e sim celebrar as duas carreiras meteóricas, construídas por duas mulheres libertárias, inspiradoras, donas da própria produção e que estão eternamente ligadas pelo laço materno.

Continue lendo “Dos 40 anos sem Elis Regina aos 20 anos de carreira de Maria Rita: a potência da herança genética e cultural”

Calambre sonoriza a revolução que Nathy Peluso incorpora

Capa do álbum Calambre. Nathy Peluso, uma mulher branca de cabelos castanhos e longos, está centralizada na imagem. Ela salta em posição de espacate enquanto segura, com os dois braços acima de sua cabeça, um fio branco com tomada em uma das extremidades. Nathy ainda veste bandagens em várias partes do corpo. Ao fundo, uma parede branca com a sombra da cantora.
“Sou eu quem pega o plugue e causa o choque – de paixão, alegria, o que quer que seja. Quero agitar a coragem das pessoas de tal forma que elas não consigam se conter” (Foto: JP Bonino)

Vitória Vulcano

Inúmeros são os prismas musicais de origem latina que despontam na indústria atual. A efervescência emergida de tantos ritmos vira elixir não somente rompendo com a hegemonia maçante da língua inglesa nos centros de visibilidade, como também investindo em criar, revisitar e renovar leituras artísticas. No entanto, mesmo ascendida nesse cenário difusor de novidades, Nathy Peluso surpreende no mínimo e no estrondoso desde o início de sua carreira. 

Continue lendo “Calambre sonoriza a revolução que Nathy Peluso incorpora”

O universo nunca mais foi o mesmo depois de conhecer a infinitude de Marisa Monte

Em 2021, o mundo de Marisa Monte dividido entre Infinito Particular e Universo Ao Meu Redor completou 15 anos (Foto: Marisa Monte)

Raquel Dutra

O planeta Terra não era habitado por Marisa Monte quando este iniciava o ano de 2006 ao completar mais um ciclo ao redor do Sol. Depois de dar à luz ao fenômeno romântico filho de Vênus batizado de Memórias, Crônicas e Declarações de Amor em 2000, a jovem deusa da música pop brasileira se recolheu. Para bem longe do brilho, grandiosidade e tudo mais que envolvia a ideia de sua ascensão escrita nas estrelas, cuja concretização nesta galáxia lhe era prometida desde os anos 90, Marisa Monte passou seis anos orbitando o seu próprio universo. 

Continue lendo “O universo nunca mais foi o mesmo depois de conhecer a infinitude de Marisa Monte”

Marília Mendonça e o eterno legado das Patroas

Maiara, Marília e Maraisa, três mulheres brancas, estão de olhos fechados e chorando lágrimas douradas. Na parte superior, está escrito “Patroas 35%” em dourado, com um fundo preto. Elas também utilizam brinco e anel dourado.
As precursoras do feminejo das patroas em seu último trabalho juntas (Foto: Som Livre)

Giovana Guarizo

Na tarde do dia 5 de novembro, o Brasil foi surpreendido por um plantão da Globo, o qual anunciava um acidente aéreo envolvendo a cantora Marília Mendonça. Até então, foi informado pela emissora, através de informações dadas pela assessoria da artista, que ela e outras quatro pessoas estariam bem. Entretanto, era tudo incerto, pois não haviam informações confiáveis que comprovassem tal afirmação. Após algumas horas de muito trabalho por parte da equipe de bombeiros, veio a notícia que ninguém queria receber: o falecimento da cantora Marília Mendonça, aos 26 anos de idade.

Continue lendo “Marília Mendonça e o eterno legado das Patroas”

Ao fim de Chegamos Sozinhos em Casa, Tuyo encontra lar no outro

Texto alternativo: Capa do CD “Chegamos Sozinhos em Casa”, da banda Tuyo. Fotografia quadrada e colorida. Nela, vemos três pessoas em frente a um grande rancho, com telhados marrom e pintura branca. O céu é limpo e azul, e eles se apresentam em pé, num gramado verde-escuro. Os três olham para a câmera, com um semblante sério. Primeiro, à esquerda, está Jean. Um homem negro, de barba cheia, com cabelos crespos da cor preta, raspados nas laterais e com um grande volume no topo, que se divide em dois. Ele veste um sobretudo azul escuro, uma camiseta branca, uma calça azul-escuro e tênis brancos. Ao seu lado, no centro, está Lay. Uma mulher negra, de cabelos crespos raspados e tingidos em loiro. Ela veste uma espécie de quimono azul-escuro, com grandes ombreiras nos braços, e com uma saia que se estende apenas até as coxas. Além disso, ela também veste meias de cano longo brancas e tênis brancos. Por fim, ao lado direito, está Lio. Uma mulher negra, de cabelos crespos volumosos da cor preta. Ela veste um grande vestido azul-escuro de mangas longas, que se estende até seus pés, e que se divide no meio em botões fechados. Nos pés, ela também usa tênis brancos.
Depois dos magnânimos Pra Doer (2017) e Pra Curar (2018), Tuyo retorna com um projeto extraordinário, cuja ousadia foi contemplada por uma indicação ao Grammy Latino de 2021 [Foto: Tuyo]
Enrico Souto

Não há medo mais apavorante do que o da solidão. Construímos nosso entendimento de mundo baseado em nossas conexões afetivas e, logo com a chegada da vida adulta, nos deparamos com a instância de trilhar um caminho tortuoso por conta própria. Nesse temor pelo desconhecido e por não pertencer, Machado, Lay e Lio – ou Tuyo, como os conhecemos juntos – encheram sua casa de gente, para não se sentirem sozinhos. Diante disso, Chegamos Sozinhos em Casa, o novo projeto artístico da banda, imerge na psique de seus integrantes, explorando o instante em que essas pessoas voltam para onde vieram, ou criam seus novos espaços, e o que sobra da gente quando, enfim, estamos sós. 

Continue lendo “Ao fim de Chegamos Sozinhos em Casa, Tuyo encontra lar no outro”

AmarElo: tudo o que ‘nóis’ tem é ‘nóis’

Parte do pôster do documentário AmarElo - É Tudo Pra Ontem. A imagem exibe o rosto de Emicida de perfil, virado para o lado esquerdo da imagem. O artista é negro e tem cabelos cacheados soltos, mas curtos. Emicida também usa um óculos de grau redondo e fino e uma blusa, mas é fotografado apenas do ombro para cima. Atrás dele, existe um fundo cinza e no meio um coração amarelo iluminado gigante. A foto está em tons preto e cinza e somente o coração amarelo ilumina e colore a imagem.
O documentário AmarElo – É Tudo Pra Ontem estreou no catálogo da Netflix no dia 8 de dezembro de 2020 (Foto: Reprodução)

Gabriel Gomes Santana

O recente documentário AmarElo – É Tudo Pra Ontem foi aclamado quase por unanimidade. A produção original da Netflix exibe o evento de estreia do mais recente álbum do rapper Emicida, AmarElo. O artista reúne todas as pessoas que, durante muito tempo, não tiveram a oportunidade de sequer pisar no Theatro Municipal, principal símbolo da cultura erudita do país. Emicida nos revela o porquê de suas letras, mensagens, parcerias e missões. Mais do que isso, o show traz um profundo sentimento de esperança aos seus espectadores. Ao mesmo tempo que evidencia os diferentes males que assolam nosso país, também constrói um forte apelo à esperança de tentar mudar esse cenário. 

Continue lendo “AmarElo: tudo o que ‘nóis’ tem é ‘nóis’”

APKÁ! é um reflexo

Capa do álbum "APKÁ" da artista Maria do Céu. A imagem é composta por de uma fotografia muito próxima do rosto da artista que se sobrepõe três vezes e se alinha no canto superior direito. Céu tem a pele branca e usa uma maquiagem azul clara nos olhos e um brilho labial suave. Numa posição quase no centro mas levemente ajustada à esquerda e ao lado inferior da imagem, está escrito "CÉU" e depois, na mesma linha, "APKÁ!", numa fonte meio tribal em caixa alta e colorida num tom de branco levemente rosado.
Capa de APKÁ! (Foto: Reprodução)

Yasmin Moscoski

A cantora e compositora Maria do Céu abre seu quinto álbum de estúdio, APKÁ! (2019), com uma saudação melódica e acolhedora. O “Olá, como vai você?” de Off (Sad Siri) é um verdadeiro convite para o mergulho interior da artista. Vindo de Tropix (2016), Céu nos introduz à sua nova obra de forma tênue, mesclando sintetizadores e baterias contadas como em um reencontro. Com o repertório versátil que transita com harmonia entre os gêneros, o álbum tem três indicações no Grammy Latino 2020: Melhor Canção em Língua Portuguesa, Melhor Álbum de Engenharia de Gravação e Melhor Álbum de Pop Contemporâneo em Língua Portuguesa.

Continue lendo “APKÁ! é um reflexo”

Em Planeta Fome, Elza Soares serve um banquete

Foto de Elza Soares. Ela está ao centro da imagem, seus cabelos são cacheados e loiros. Elza veste uma roupa preta brilhante e suas mãos estão entrelaçadas, apoiando o seu queixo.
Todos os últimos trabalhos de Elza foram reconhecidos no Grammy Latino e este ano não é diferente: a artista é indicada a Melhor Álbum de Música Popular Brasileira com seu disco mais recente, lançado em setembro de 2019 (Foto: Reprodução)

Raquel Dutra

A primeira vez que Elza Soares cantou em público foi em 1953. Na época, com apenas 23 anos, a artista já enfrentava a dureza da vida e viúva de um casamento que aconteceu quando ela tinha apenas 11 anos, lutava pela sua sobrevivência e a de seus filhos. Movida pelo desespero de ver um deles doente e sem dinheiro para o tratamento, ela decidiu participar de um programa de calouros da Rádio Tupi, apresentado por Ary Barroso. Naquele dia, com suas vestimentas humildes, Elza encarou os risos da plateia quando foi se apresentar e foi questionada em tom de chacota pelo apresentador: “De que planeta você vem, minha filha?”. O público gargalhou e logo foi cortado e constrangido pela resposta de direta de Elza, que mesmo ainda revestida de humildade, não deixou-se intimidar e disparou: “Do mesmo planeta que você, seu Ary. Do planeta fome”. 

Continue lendo “Em Planeta Fome, Elza Soares serve um banquete”

N é uma homenagem de Anavitória a Nando Reis e também ao Amor

Ana comentou que trabalhar com Nando foi uma “intervenção divina” (Foto: Reprodução)

Ana Beatriz Rodrigues

O duo Anavitória vem entregando grandes presentes para o público mesmo durante a quarentena. A música Me conta da tua janela, lançada em abril deste ano, é uma poesia melancólica sobre esses dias sombrios e a valorização do nosso antigo modo de vida. Entretanto, mesmo antes da era das lives, as cantoras não erraram e prestaram uma bela homenagem ao cantor, e amigo próximo, Nando Reis. Intitulado de N (2019), o álbum conta com a regravação de músicas compostas por Nando que são consideradas sucessos da Música Popular Brasileira e também foi indicado a Melhor Álbum de Rock ou Música Alternativa no Grammy Latino 2020

Continue lendo “N é uma homenagem de Anavitória a Nando Reis e também ao Amor”

A ressaca do Climão em Letrux Aos Prantos

Capa do álbum Letrux Aos Prantos (Foto: Ana Alexandrino com arte de Pedro Colombo)

Marina Ferreira

A cabeça cheia de bebidas e problemas, a vibração sensual da noite e as luzes rápidas refletidas no globo espelhado do teto de alguma boate decadente do Centro do Rio de Janeiro (ou de qualquer outro centro decadente de qualquer outra cidade do mundo). É essa a visão e o sabor que o Letrux em Noite de Climão deixou ao se encerrar após 2 anos de uma era bem sucedida que lançou Letícia Novaes em sua carreira solo, após 9 anos de parceria com Lucas Vasconcellos no duo Letuce. O sentimento de confusão explosiva e embriaguez desvairada parece reger esse primeiro trabalho, assim como se apresenta de ponto de partida para o seu sucessor, Letrux Aos Prantos. Nos levando à uma espiral de sensações remetentes à uma belíssima ressaca física e moral dividida em lado A e lado B, o álbum é um dos indicados à categoria de Melhor Álbum de Rock ou de Música Alternativa em Língua Portuguesa no Grammy Latino 2020. 

Continue lendo “A ressaca do Climão em Letrux Aos Prantos”