Daniela Mercury em Bauru: o axé necessário

daniela mercury em bauru
Crédito: Evandro Souza

Adriano Arrigo

“Mulher arretada” é a forma como Daniela Mercury se autointitulou entre uma e outra música, dentre as vinte e três tocadas na 13º Virada Cultural Paulista, em Bauru. Mercury se ajeitava no palco, sincronizava os braços e estufava o peito. “Gosto de quando termina a música assim”, comentou em um dos inúmeros apontamentos e discursos de sua apresentação. É a famosa pose que abre espaço para chamar as mulheres com forte presença de palco: diva. Mas, se tratando de uma figura que tanto se identifica com o Brasil, seu título tem que vir à brasileira, e mais especificamente, com gosto baiano. Continue lendo “Daniela Mercury em Bauru: o axé necessário”

Harry Styles e as novas direções

Harry Styles

Lara Ramos Ignezli

Pouco mais de um ano após a pausa da One Direction, Harry Styles volta ao mundo da música com seu primeiro álbum solo autointitulado. O disco foi lançado oficialmente no dia 12 de maio: uma junção das músicas que um Harry Styles pré-adolescente ouvia sozinho no quarto, a experiência pop que teve na boyband e o que pretende fazer daqui pra frente; uma agradável bagunça musical que exalta a indefinição do seu criador. Continue lendo “Harry Styles e as novas direções”

Criolo na espiral do samba

criolo espiral de ilusão samba

Rapper lança seu quarto autoral com referências do samba raiz e critica a atual política brasileira

Heloísa Manduca

No dia 28 de abril, o rapper Criolo lançou seu mais recente trabalho. O novo disco leva como título Espiral de Ilusão. Agora, com uma pegada totalmente nova, trouxe todas as faixas em ritmo de samba. Bem, pensando melhor, o ritmo não foi tão inédito assim; o que foi surpreendente é o fato de todas as 10 faixas do álbum se basearem nele.   Continue lendo “Criolo na espiral do samba”

Slowdive no Balaclava Fest: das demoras que valem a pena

Jovens tímidos da década de 90: Scott, Nick, Rachel, Chris e Neil
Jovens tímidos da década de 90: Scott, Nick, Rachel, Chris e Neil

Nilo Vieira

Após a estreia com Just For a Day (1991), o Slowdive levou dois anos para colocar a obra-prima Souvlaki (1993) na praça. Para os parâmetros atuais não parece muito tempo, mas muita coisa aconteceu nesse meio tempo: o relacionamento entre os vocalistas Neil Halstead e Rachel Goswell acabou, os parceiros de gravadora My Bloody Valentine quase levaram a Creation Records à falência com Loveless (1991) e a imprensa já esnobava o shoegaze – enquanto o grunge atingia seu ápice na América do Norte, o britpop começava a ganhar força na terra da rainha. Os resultados vieram catastróficos, com avaliações agressivas (“Slowdive? More like slow death!”, “Eu odeio o Slowdive mais que Hitler” e afins) e shows praticamente vazios. Continue lendo “Slowdive no Balaclava Fest: das demoras que valem a pena”

10 anos após Riot!, Paramore se encontrou ou se perdeu em After Laughter?

paramore after laughter

Quem ouviu de cabo a rabo o álbum Riot!, em 2007, e se apaixonou por Paramore, ficou no mínimo surpreso com o recém-lançado After Laughter. O 5º álbum de estúdio não se distancia só do repertório da banda: também foge completamente das tendências atuais. Em meio a um revival dos anos 90, e de um relativo retorno da popularidade do pop punk e do emo – estilos que fizeram a banda deslanchar – o lançamento traz baladinhas oitentistas, entre o new wave, o synthpop e o pop tropical. Continue lendo “10 anos após Riot!, Paramore se encontrou ou se perdeu em After Laughter?”

Há 35 anos, o The Cure atingia o fundo do poço com Pornography

The Cure ao vivo, em 1982
The Cure ao vivo, em 1982

João Pedro Fávero

Em 1982, o punk era apenas uma memória na Inglaterra, que via Margaret Thatcher  dominar a terra da rainha com seu conservadorismo. A energia do estilo deu lugar às sombras, emanadas por bandas que misturavam  guitarras cruas e o baixo pulsante com batidas de dance music e temáticas obscuras. A mais famosa das bandas oriundas dessa cena, o Joy Division, havia visto seu fim com a morte precoce do seu líder, Ian Curtis, que sofria com problemas pessoais – entregues de maneira palpável em sua arte, principalmente nas letras do seu último álbum, Closer (1980). Continue lendo “Há 35 anos, o The Cure atingia o fundo do poço com Pornography”

Melhores discos de Abril/2017

gatodj2

Adriano Arrigo, Gabriel Leite, Matheus Fernandes e Nilo Vieira.

De volta do recesso com os dois pés no peito! Esprememos até a última gota, inclusive nos feriados, para trazer a seleção mais top possível. Ainda que a safra do mês anterior tenha sido mais empolgante, abril trouxe alguns dos discos mais aguardados no mainstream, além de pepitas underground. Cá vão nossos favoritos: Continue lendo “Melhores discos de Abril/2017”