O Soul e o Sou de Liniker

O cantor agitou a cidade de Bauru com seu ritmo, sua voz e seu estilo

linikerO cantor durante apresentação no SESC Bauru (Foto: Vinicíus Gálico)

Vinícius Gálico

A black music de Liniker invadiu a cidade de Bauru e levou uma multidão para o show do cantor e seu grupo, os Caramelows, no ginásio do SESC na última quarta-feira (20). O show faz parte da turnê de seu novo EP “Cru”, lançada pelo selo independente Vulkania.  Com apenas três músicas – “Zero”, “Caeu” e “Louise du Brésil”, Liniker agitou as redes sociais alcançando mais de 1 milhão de visualizações no YouTube em apenas uma semana. Sem divulgação ou assessoria de comunicação para anunciar o lançamento, o cantor pegou muita gente de surpresa, e desde então continua surpreendendo a todos por onde passa com sua voz, estilo e atitude – e em Bauru não foi diferente.

O público que lotava o ginásio do SESC aguardava com muitas expectativas. Os comentários em meio aos fãs de carteirinha e os que pouco conheciam o artista eram calorosos. Esperavam ouvir a voz poderosa, o suingue dançante das canções, ver de perto o cantor que desafiava a questão de gênero com seu visual e estilo únicos. Pontualmente às 21h, os Caramelows subiram ao palco – onde folhas e flores de estrelícias adornavam as caixas e pedestais, saudaram o público e assumiram seus instrumentos. Mas para a ansiedade dos presentes, Liniker ainda permanecia uma incógnita. No entanto, foram poucos os minutos de espera para que o cantor enfim aparecesse. Subiu ao palco acompanhado de gritos e aplausos e dirigiu-se até o seu microfone.  As luzes se apagaram, e no escuro restou somente um foco de luz sobre ele. O barulho deu lugar ao silêncio; olhos e ouvidos atentos à figura da noite. Liniker inicia o show com o charme e a sensualidade de “Remonta” e segue na sequência com o suingue de “Louise du Brésil”. O ginásio lotado segue à risca as palavras do cantor: cantam e dançam intensamente, se permitem ser o que quiserem, sem restrições.

As duas primeiras músicas eram a síntese do que estava por vir naquela noite. A black music de Liniker, influenciada pela brasilidade do samba ao MPB, invade os sentidos e invoca a catarse. É impossível não se deixar envolver pela áurea do momento. Ao longo de pouco mais de uma hora, Liniker e os Caramelows chacoalham as cabeças e os corações do público. A música é envolvente, rica em cada harmonia e melodia apresentada. O ritmo contagia, e até os mais tímidos se põem a dançar, mesmo que de modo mais discreto. Liniker sabe como conduzir um show. Influenciado pelo teatro da Escola Livre, sua presença de palco é forte, marcada pela dança e gingado. A escolha de repertório é agradável e intercala o suingue e o funk da guitarra e baixo com o choro meloso do trompete. Além das três músicas do EP, o show foi formado por músicas autorais que irão compor o álbum previsto pra ser lançado em 2016, o “Remonta”, além de releituras de artistas que inspiram o cantor.

liniker2O público lotou o ginásio do SESC (Foto: Juliana Gálico)

A voz e a performance de Liniker bastariam para fazer jus ao seu excelente show e grande repercussão nas redes sociais. Entretanto a sua figura e personalidade têm muito a nos dizer. Liniker adota um visual andrógino, que combina barba, saião, turbante e grandes argolas nas orelhas. O batom roxo contrasta perfeitamente à sua pele negra. Liniker é voz, ritmo e sensualidade, mas também é política, ativismo e empoderamento. Através de sua imagem e atitude, levanta importantes questões sobre sexualidade, identidade de gênero e preconceito racial. Em entrevista dada ao jornal El País, o cantor disse: “Meu corpo é um corpo político. Preciso mostrar para as pessoas o que estou passando. Este é o Liniker, um cara pode usar um batom, turbante e cantar”.

Atuando no cenário musical independente, pode-se dizer que a ascensão de Liniker foi rápida. Passados somente três meses da publicação das músicas de seu EP no YouTube, o cantor já embarcou em uma turnê nacional que passa por lugares renomados, como o Circo Voador, no Rio de Janeiro, e tem uma turnê internacional prevista ainda pra 2016. O lançamento de seu álbum, o “Remonta”, é estimado para junho do mesmo ano. Liniker tem todo o potencial para alçar voos cada vez maiores.  Aos 20 anos de idade, o cantor natural de Araraquara (270 km de São Paulo) já se apresenta como uma das maiores referências da black music – em sua definição mais abrangente – do país. O EP “Cru” está disponível para download em seu site, onde também é possível acessar vídeos e acompanhar a agenda do músico.

1 pensamento em “O Soul e o Sou de Liniker”

Deixe uma resposta