Os Corvos voam pela última vez e o mangá de Haikyuu chega ao seu fim

Uma jornada de 1000 Km começa com apenas um passo (Foto: Reprodução)

Anna Clara Leandro Candido

O mangá Haikyuu! publicou seu último capítulo em 20 de julho de 2020 após oito anos e meio de serialização pela Weekly Shonen Jump-Next!, revista japonesa da Shueisha Inc. A obra é escrita e desenhada por Haruichi Furudate, e pertence ao gênero Shounen. Com um total de 402 capítulos, 45 volumes e um anime com 4 temporadas confirmadas, produzido pelo estúdio Production I.G, Haikyuu! conquistou milhares de fãs ao redor do mundo, sendo considerado um dos melhores mangás de esporte.

Como todo bom Shounen, Haikyuu! possui personagens cativantes, muita ação, plot twists que fazem o leitor torcer como se estivesse no jogo e uma história emocionante, cheia de obstáculos e superação. Não precisa entender tudo sobre vôlei para acompanhar a história, o mangá intercala explicações e partidas de uma maneira que o leitor compreende as técnicas e estratégias que estão acontecendo em quadra sem quebrar a ação da cena. Os personagens e as partidas, apoiadas pelo background e motivação de cada jogador, são tão bem construídos que, ao fim de cada capítulo, a vontade de comprar uma bola de vôlei e começar a jogar será grande.

A história começa com Hinata Shoyo, um estudante do fundamental que se apaixona por vôlei ao assistir um jogador da escola Karasuno no torneio nacional, O Pequeno Gigante. Ele consegue formar um time improvisado e participar pela primeira vez das eliminatórias da província, onde é derrotado por Kageyama Tobio. Um Levantador gênio, porém arrogante,  chamado por seus colegas de O Rei da Quadra. Desde então, Hinata jura derrotar Kageyama ao se tornar um jogador melhor do que ele, se matriculando na escola Karasuno, onde seu ídolo um dia estudou. Quão grande não é a surpresa ao encontrar seu rival no mesmo time.

Hinata e Kagueyama se encontram novamente (Foto: Reprodução)

Hinata e Kageyama são dois lados de uma mesma moeda. Ambos são ambiciosos se tratando de vôlei e, por mais que possuam inicialmente personalidades muito diferentes, eles são o eixo principal da história, formando uma boa dupla e base para o restante do time. Furudate não comete o erro de focar a história apenas nesses dois, muito pelo contrário, todos os personagens são bem desenvolvidos. Cada um possui uma história, uma ambição e personalidades complexas, tanto os jogadores da Karasuno, o time principal, quanto os outros times que futuramente competem com eles.

São essas peculiaridades que fazem o leitor se apegar a cada um ao ponto de, no fim de cada partida, o desejo de que ambos saiam vencedores fale alto. Essa conexão deve-se também ao uso completo dos painéis. No fundo há sempre uma ação ou história paralela à narrativa principal, que complementa o cenário e distribuí a dose ideal de seriedade e comédia para cena. O estilo dos personagens são associados aos seus times, lemas e animais que cada um representa (Karasuno são os corvos, e Nekoma os gatos), ajudando a engajar o leitor e criar um sentimento de pertencimento.

Todos os personagens de Haikyuu com seus respectivos times (Foto: Reprodução)

A grande quantidade de personagens exigidos para compor os times proporciona também uma boa variedade de personalidades e culturas. A obra peca na representação racial e de gênero que, levando em conta a história e seus fãs, poderia contribuir muito com a narrativa e o sucesso dela. Porém, Haikyuu! acerta quando o assunto é representatividade cultural, ao ter dois personagens russos e referências a vários outros países, principalmente ao Brasil.

O Brasil foi citado desde o começo da história como referência nos painéis, mas ganhou uma atenção especial no último arco do mangá quando foi palco para a mais nova jornada do protagonista. Furudate conseguiu com êxito representar uma cultura completamente diferente da sua ao fugir dos esteriótipos, representar comportamentos típicos dos brasileiros e criar uma rica variedade de novos personagens. O Brasil ganhou não só uma boa representação e reconhecimento, como também se tornou parte importante da identidade do personagem principal, algo não tão comum nos mangás.

Início do arco final (Foto: Reprodução)

Mais do que um mangá de esportes, Haikyuu! consegue abordar temas como saúde física e psicológica, auto-estima, diversidade cultural, motivação, amizade e trabalho em equipe. Cada arco de desenvolvimento traz uma reflexão sobre um personagem e um assunto em específico ligado a ele. Seja o Asahi, às do time Karasuno, e sua falta de confiança ou o Kagueyama e sua dificuldade de comunicação, Haikyuu! utiliza o esporte para trazer algumas reflexões mais profundas. Permitindo que vários tipos de leitores, não só os fãs de vôlei, se identifiquem com os personagens.

Com o fim de sua história, Haikyuu! fez de seu último arco uma celebração de todo o caminho já percorrido nesses oitos anos e meio de serialização. Os estudantes de ensino médio agora são adultos, cada com seu trabalho e vida, seja relacionado ao vôlei ou não. Ao finalizar os arcos de cada personagem e mostrar o destino final de todo o esforço e perseverança deles, Furudate deu a sua obra um sentimento de dever cumprido e orgulho, com um pouquinho de quero mais. Deixando uma mensagem clara aos seus leitores. “Nada está acabado. Amanhã ou no dia seguinte. Para o resto de suas vidas, vocês poderão fazer qualquer coisa que se proponham – Takeda Sensei”, professor e orientador do time Karasuno.

Homenagem final (Foto: Reprodução)

Deixe uma resposta