Vislumbrando um futuro além das águas claras de Aquarius

1

Adriano Arrigo, estudante de jornalismo da Unesp Bauru

Há de se frutarem as pessoas que forem ao cinema assistir Aquarius e não verem o nascer da nova Esquerda Brasileira a partir do cruzamento entre Lula e Sônia Braga. Ora, o borbulho foi tanto em torno do filme (“o dever das pessoas de bem é boicotar Aquarius”, disse o amargurado jornalista Reinaldo Azevedo) que se criou expectativas que ultrapassam o senso lógico de interpretação de um filme. Continue lendo “Vislumbrando um futuro além das águas claras de Aquarius”

As disruptivas associações de Boi Neon e o Brasil que não conhecemos

Gabriel Mascaro junta os cacos de um Nordeste que já passou e o transforma em um novo mosaico brasileiro

1

Adriano Arrigo

O quase continente chamado Brasil é objeto fílmico de toda a sorte. Sorte, nesse sentido, cai lhe bem, já que a quantidade de produções nacionais que tenta recriá-lo através dos vários estilhaços que lhe compõem às vezes consegue retratá-lo fielmente; porém, é grande a frequência de projetos que distorcem a realidade e, quando não, mentem para o espectador, seja por interesses econômicos ou por padronização estética do mercado. Continue lendo “As disruptivas associações de Boi Neon e o Brasil que não conhecemos”

Em exposição inédita no Sesc Bauru, crianças e adultos são cativados pela arte contemporânea

1
Entrada da exposição Arte à Primeira Vista: que linha é essa? Foto: Adriano Arrigo.

Adriano Arrigo

No último 27 de Agosto, o Sesc Bauru abriu suas portas para receber a exposição Arte à Primeira Vista: que linha é essa?. Essa exposição com curadoria de Renata Sant´anna e Valquíria Prates faz parte do programa Arte à Primeira Vista que como objetivo a aproximação da arte contemporânea com as crianças através de um ambiente lúdico e informativo. Continue lendo “Em exposição inédita no Sesc Bauru, crianças e adultos são cativados pela arte contemporânea”

Experiências com o Butô no Sesc Bauru revelam um mundo rítmico de interpretações múltiplas

Adriano Arrigo

“Os japoneses são, no mais alto grau, agressivos e amáveis, militaristas e estetas, insolentes e corteses, rígidos e maleáveis, submissos e rancorosos, leais e traiçoeiros, valentes e tímidos, conservadores e abertos aos novos costumes. Preocupam-se muito com o que os outros possam pensar de sua conduta, sendo também acometidos de sentimento de culpa quando os demais nada sabem do seu deslize.” Ruth Benedict em O Crisântemo e a Espada

Continue lendo “Experiências com o Butô no Sesc Bauru revelam um mundo rítmico de interpretações múltiplas”

Pokémon, de 1996, é a cultura pop japonesa encapsulada

Há 20 anos atrás, o primeiro game da série Pokémon fez a façanha de encapsular a cultura pop japonesa em um grande jogo portátil.

img1
Capa da versão Vermelha de Pokémon (1996), primeiro jogo da série.

Adriano Arrigo

Os kaijus (“monstros estranhos”, na tradução literal) são monstros gigantescos que habitam o imaginário japonês.  Apesar de serem enormes e com cara (quando tinham cara) de poucos amigos, eram queridos pelas crianças e, em especial, serviam de protetores do povo japonês contra ameaças externas.  Assim, os kaijus podem ser entendidos de duas maneiras: alguns são reflexos metafóricos da ganância humana, como o Hedorah, o monstro que surgiu da poluição emitida pelas indústrias; e, de outra forma, se comportam também como a personificação das forças naturais destrutivas que assolam o Japão desde sempre.

Continue lendo “Pokémon, de 1996, é a cultura pop japonesa encapsulada”

Hiroshima é um insigne relato antiguerra do frenético século XX

John Hersey transpõe o jornalismo tradicional e cria uma obra de caráter literário, humano e influente até os dias atuais

hiroshima
As ruínas do antigo centro de promoção industrial de Hiroshima, atual Memorial da Paz

Adriano Arrigo

Em 1979, o célebre personagem Sargento Kurtz do filme Apocalypse Now! (de Francis Ford Coppola) trouxe em seu corpo e mente os tenebrosos reflexos de uma guerra que assassinou nada menos do que 1 milhão e meio de pessoas. Kurtz, preso na guerra do Vietnã, é a síntese de um conflito entre o racional e irracional despertado devido as atrocidades bélicas que viveu. Em uma das cenas clássicas do filme, Kurtz, deitado no chão, reflete e sintetiza o que viveu: o horror… o horror.

Continue lendo “Hiroshima é um insigne relato antiguerra do frenético século XX”

30 anos do primeiro Castlevania: transposição do terror clássico e muita dificuldade

capa-corte
Belmont e Dracula, na capa de Castlevania (1986)

Adriano Arrigo

Em 30 anos de trajetória, a série Castlevania carrega um nome mais ou menos popular entre as grandes sagas de jogos que ainda perpetuam nos consoles atuais. A série tornou-se tão grande que talvez não tenha conseguido sustentar-se por si só. Mas seu tamanho é proporcional a ambição do mercado de games, que viu no grande potencial da série uma possível mina de dinheiro. A todo custo, a franquia tentou arrebatar novos fãs, mas muitos títulos foram verdadeiros cuspes na cruz (vide Castlevania Judgment, de 2009).

Continue lendo “30 anos do primeiro Castlevania: transposição do terror clássico e muita dificuldade”