Liniker: remontar vai além da maquiagem

Abaixa que é tiro: Liniker (ao centro) e sua trupe
Abaixa que é tiro: Liniker (ao centro) e sua trupe

Nilo Vieira

Liniker é uma figura interessante no Brasil contemporâneo: nasceu homem, mas se veste com roupas femininas, passa batom e pede para ser chamada no feminino. Tem vozeirão de artista maduro, mas seu carisma é tão espontâneo quanto o de uma criança. Seu sucesso com a esquerda, especialmente a universitária, foi instantâneo e compreensível – assuntos como empoderamento, tanto negro como LGBT, e quebra de estereótipos de gênero já são praticamente inerentes à suas falas, bem como a praticamente qualquer texto sobre sua curta carreira.

Continue lendo “Liniker: remontar vai além da maquiagem”