Do barro ao belo: Cerâmica do Japão – a geração emergente do forno tradicional japonês

JUN

Obra de Kawaguchi Jun

Vinícius Becker de Souza

Vasilhames servem para muitas coisas. Para por flores, servir sopas, beber vinho, guardar cereais, como peso de porta, como enfeite na sala e, também, como expressão artística. Vasilhames é o tema da segunda fase da exposição “Cerâmica do Japão – a geração emergente do forno tradicional japonês” que celebra a cerâmica japonesa, em cartaz até dia 20 de abril no Centro Cultural de Bauru. As obras ali expostas são a prova de que vasilhames vão muito além de suas utilidades – servem de suporte para as expressões artísticas mais diversas. Continue lendo “Do barro ao belo: Cerâmica do Japão – a geração emergente do forno tradicional japonês”

Rua Cloverfield, 10: Tensão e suspense psicológico em uma rua sem saída

10-cloverfield-lane

Gabriel Fioravante

Em 2008, com o lançamento de “Cloverfield – O Monstro”, o produtor J.J. Abrams lançou no mercado cinematográfico dois nomes que posteriormente seriam disputados pelas grandes produtoras. Matt Reeves e Drew Goddard, diretor e roteirista respectivamente do filme de 2008 (ambos são produtores executivos deste novo filme), assumiram grandes franquias no cinema, como “Planeta dos Macacos” por Reeves e o indicado ao Oscar, “Perdido em Marte”, por Goddard. Alguns anos depois, com o sucesso dos realizadores e do filme, elogiado principalmente pela sua temática e seu estilo found-footage, depois de muito se tentar uma continuação, eis que surge “Rua Cloverfield, 10”, um parente próximo, com algumas referências bem leves a “Cloverfield- O Monstro”. Porém, que estruturalmente e essencialmente se difere muito com o seu antecessor, já que o propósito aqui é outro, mesmo ainda tendo uma temática específica que ambienta ambos.

Continue lendo “Rua Cloverfield, 10: Tensão e suspense psicológico em uma rua sem saída”

Bauroots Bloody Roots: Sepultura no Sesc

13043337_10153377887566924_6985492710028264947_n

Nilo Vieira

Para o bem e para o mal, pode-se afirmar que existe uma inconstância nos trinta anos de carreira do Sepultura. Discos irregulares, problemas com gravadoras, saídas de integrantes, fãs puristas e polêmicas que a imprensa insiste em incitar são alguns dos fatores que contribuíram para que a banda não fosse ainda maior do que é. Porém, esses mesmos desafios forçaram o grupo a sempre buscar novas alternativas – tanto sonoras quanto profissionais – e a permanecerem inquietos, mesmo que nadando contra a corrente. Continue lendo “Bauroots Bloody Roots: Sepultura no Sesc”

Weezer: dois discos e duas faces da indústria cultural

weezer-white-album

Nilo Vieira

Lançado no último dia 1, o décimo álbum do Weezer (o quarto homônimo, apelidado de “álbum branco”) mostra o quarteto de Los Angeles voltando às origens. No intuito de transmitir ao ouvinte as ensolaradas vibrações do verão californiano, o rock com melodias pegajosas que alçou a banda ao sucesso retornou ao front, e as guitarras novamente ditam o rumo das canções. Com letras descontraídas e curta duração – 34 minutos distribuídos em 10 músicas -, o produto final é um disco simples, sólido e muito divertido. Continue lendo “Weezer: dois discos e duas faces da indústria cultural”

Undertale: o jogo onde ninguém morre

undertale

Matheus Fernandes

Desde o primórdio dos jogos eletrônicos, uma mecânica que une a maioria dos games é a matança indiscriminada. Durante uma curta sessão, hordas e hordas de inimigos sem nome ou história desaparecem na mão dos jogadores, sejam eles os Goombas de “Super Mario World”, os aliens de “Space Invaders” ou os minions de “League of Legends”.
Mesmo em jogos que prezam pela irreversibilidade das mortes, como a série Fallout, um rápido “load game” livra o player de todas suas responsabilidades. Então, o que acontece quando um jogo tenta subverter essa ordem?

Continue lendo “Undertale: o jogo onde ninguém morre”

Kandinsky: As cores do gigante

onwhite

No Branco, 1920

Paula F. Vermeersch, docente em História da Arte e da Arquitetura no FCT/Unesp

Exposta no ano passado no Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Brasília, nos Centros Culturais do Banco do Brasil, a mostra “Kandinsky: Tudo começa num ponto” trouxe, para o público brasileiro, a primeira oportunidade de ver não só quase toda a trajetória do gigante Wassily Kandinsky (1866-1944), mas também dos artistas ucranianos, russos e alemães que circularam nas vanguardas do início do século XX, além de artefatos sacros e cotidianos, que atestam a ligação destes artistas modernos com tradições figurativas ancestrais.

Continue lendo “Kandinsky: As cores do gigante”